sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

A Dimensão Psíquica e sua conexão com o universo

Por Rosangela Brunet

"Ingenuamente, esquecemos que por baixo de nosso mundo racional jaz um outro enterrado..Não sesei humanidade ainda terá de sofrer até ouse reconhecê-lo""Carl Gustav Jung citado em Simpósio Junguiano)
A nossa Psique esta diretamente ligada ao universo.Isso significa que um afeta o outro,um contém o outro.Por isso decidi refletir superficialmente sobre adoração, rendição, entrega.O que a Psique tem a ver com o universo, e qual a sua relação com o ato de adorar, se render ou se entregar? Adorar não tem a ver somente com eventos divinos. Pode-se adorar um filho,um marido,um pai,uma mãe,o dinheiro, o status, o poder, a profissão e, por aí vai.Se algo toma teu tempo mais que tudo, e não sobra quase nada para outras coisas você esta adorando e suas energias absorvem tuas habilidades, tuas competências, tuas horas, teu espaço e teu dinheiro.

Para se falar de adoração é necessário entender o que significa este termo. Adorar é dar honra,dispor de tempo, ter um profundo respeito a ponto de reverenciar , se "inclinar" diante de algo ou alguém. Se inclinar aqui, na verdade, é no sentido figurado. Pois muitos se inclinam fisicamente mas não adoram. Amar demais alguma coisa a ponto daquilo receber a maior parte da atenção,concentração e energia O que quero ressaltar nesse processo é exatamente isso. A adoração te molda naquilo que você adora.
Porque a adoração exige energia psíquica que é espiritual, a qual é canalizada em direção ao que é adorado. A adoração vai moldando sua forma de vida e catexizando objetos de desejo ou indesejados , com essa energia, a nossa forma de vida, de ser,de ver o mundo, de se comportar e de pensar vai sendo formada. Para que esse fenômeno aconteça é necessário que toda a tua psique,corpo e espírito esteja presente neste
processo.Do contrário isso não ocorreria.A energia esta no espírito que habita na Psique e se expressa no corpo. A Psique tem ,além de outras faculdades mentais, a capacidade de sentir, pensar, lembrar, concentrar, analisar, perceber, discriminar,ate. Estes são processos fundamentais na aprendizagem de comportamentos e na formação de hábitos e articulação da inteligência. Considerando todo esse discurso da para entender a importância de uma adoração.Pode-se,então, concluir que a adoração afeta nosso senso crítico, nossa forma de pensar e de se comportar, tornando-se assim todas as nossas criações um reflexo daquilo que somos:aquilo que adoramos.
Sigmund Freud diz que nossas inquietações e angústias são matéria prima das nossas construções psíquicas, ideológicas, teóricas, organizacionais ,etc.
Mas o que realmente me diz respeito quando quero refletir sobre o tema é: a adoração afeta minha vida em conexão com o universo que é divino ,por conseguinte, afeta meu lugar de habitação: minha "Psique " .

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

A Contemporaneidade

Por Rosangela Brunet

O vazio existencial se tornou hoje um desafio para o homem contemporâneo. A contemporaneidade   tem sido  caracterizada pela cultura do excesso, do”fast-food”. A durabilidade  deu lugar ao excesso. Quanto mais  temos,quanto mais intenso ,  mais precisamos ter  em menos tempo,porque nada mais nos satisfaz por muito tempo.Este fenômeno  vêm afetando as relaões afetivas e profissionais, pois isso tem gerados  relações intensa e urgentes substituindo a valorização do que é permanente e essencial.O fato de querermos intensamente e urgentemente alguma coisa nos torna cada vez mais efêmero e vivendo  fenômenos  de difícil avaliação e validaçaõ.


Com a velocidade das mudanças e da globalização tudo tem sido hiper, super, e intensamente rápido.Temos a sensação de que se não estivermos preparadas pra a mudança seremos  engolidos pelo  assombroso sistema. Não temos tempo de entrarmo em contato com o que é essencial , com o outro, consigo mesmo; e deixamos de viver cada detalhes de cada experiência. Falar dessa forma chega ser  uma utopia no meio empresarial e  no mundo capitalista. ” Vivemos na época do hipermercado, do hipercorpo, do hiperconsumo, do hipertexto, dos celulares, computadores, das teleentregas, da internet, de milhões  de  sites e bilhões de páginas”

Esta tudo acontecendo em frações de segundo na cabeça de cada indivíduo  em busca de um “tamponamento”para seu vazio existencial que muitas vezes nem sequer se dão  conta  de que possuem.

Novas demandas e ansiedades surgem diariamente. Um novo celular é lançado a cada semana.Novas epidemais  incontroláveis, catástrofes norteando nossa alma  pelos jornais da manhã.Os produtos transgênicos , a poluição, o aquecimento global, o congresso nacional, a manipulação da mídia . Muitas mudanças, ansiedades , medos e angústias , e ainda assim temos que levantar de manhã  e escolher a roupa adequada, a forma mais educada de falar  á fim de agradarmos os contatos e contratos profissionais  fundamentais para alcançarmos o nosso sucesso. Como disse (BAUMAN, 2004): “O tempo  é  líquido e transitório”
Ainda não estamos falando sobre os valores éticos que certamente já começaram a ruir com a competitividade selvagem e  o capitalismo imperialista e covarde que insiste em nos fazer acreditar que somos livres para escolher e para pensar.
Na verdade todos os dias no centro da cidade vemos uma busca frenética pelo primeiro lugar  contra a corrida do tempo.Na altura deste processo e identidade de cada cidadão  esta sendo um alvo fácil para a opressão deste sistema.
Sabemos da vida de todas as celebridades , falamos com o mundo inteiro na internet,mas estamos correndo o risco de não conhecermos  mais os nossos filhos, de não sabermos com estamos dormindo, e perdendo muito tempo londe de quem realmente amamos
Esta corriada nos       arremessa para bem longe  dos valores éticos e essenciais da vida, e pricipalmente corremos um grande perigo de nos distanciarmos  cada dia mais nso nós mesmos. Falamos de democracia e liberdade, mas somos escravos do medo, do sistema que nos faz trabalhar como escravos, da angústia, da ansiedade e do afastamento de “si mesmo” .



terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Patrulha do Pensamento

Por Rosangela Brunet

Benditos os que conseguem se deixar em paz. Os que não se cobram por não terem cumprido suas resoluções, que não se culpam por terem falhado, não se torturam por terem sido contraditórios, não se punem por não terem sido perfeitos. Apenas fazem o melhor que podem. Se é para ser mestre em alguma coisa, então que sejamos mestres em nos libertar da patrulha do pensamento. De querer se adequar à sociedade e ao mesmo tempo ser livre...''Martha Medeiros
Esta "patrulha" é um gerador de ansiedade, de angústia , de medo e de estresse. Ela pode promover a paralisação do indivíduo diante da vida, caso ele não saiba lidar com esta pressão.Para entender melhor este fenômeno é necessário entender a origem disso. A nossa Psique é formada por 3 Instâncias Psíquicas. Id, Ego, e Superego.
O Superego ele representa essa patrulha, essa moralidade, as leis, as regras e os limites de uma sociedade, cultura ou família. Sigmund Freud dizia que ele era o "defensor da luta em busca da perfeição " (Freud, 1933, p. 67).
Esta instância psíquica vive em conflito com o id e para isso o ego entra como mediador para tentar adiar , e canalizar esta satisfação do id para objetos mais aceitáveis e adequados ao social. 
O Id é uma instância psíquica inconsciente .É ali que a energia psíquica fica guardada , as pulsões de vida e de morte se instalam nesta instância . Ele se movimenta , se dirige e é regido pelo princípio do prazer,ou seja, seu objetivo é o que da prazer ao indivíduo . Obviamente que este processo precisa ser mediado e, é nesse fio da meada que a saúde mental se estabelece. O Ego tem esse objetivo,pois ele age como um sistema regulador buscando no meio o equilíbrio entre essas demandas do id, e as demandas sociais . É essa instância que vai decidir a quem "escutar" , e é o Ego que vai definir a que demanda ele cede.: Id ou Superego


Claro que este processo é mais dinâmico e mais complexo,pois ele acontece no consciente e inconsciente , e é por isso, que nem sempre é possível compreender e interferir no sentido de se tornar um indivíduo saudável e satisfeito .
Foi isso que a Martha Medeiros quis dizer.A patrulha do pensamento pode estar inibindo o indivíduo em demasia á ponto dele não conseguir viver de forma espontânea, feliz e saudável. Isso não é bom. Um sintoma neurótico pode se instalar nesse momento. É necessário saber entender este processo para aprender a lidar com cada desejo, angústia, ansiedade, fantasias, que nos aparece e nos aponta para uma necessidade ou desejo inconsciente. Algumas vezes isso só poderá ser compreendido em terapia.
Uma outra questão importante é saber compreender a importância de uma sociedade nessa formação da consciência,ou seja, na construção desse processo. Considerando que o Superego representa os limites sociais e culturais até que ponto pode-se satisfazer, ser saudável mentalmente , uma vez que este indivíduo se encontra inserido nesta sociedade que , de certa forma, o limitou.
Isso gera uma grande discussão,e por isso, é o nosso grande desafio. Para refletir sobre isto gosto de citar uma frase da Ângela Maria Rodrigues de Oliveira P.Gurgel "O homem contemporâneo é um homem chamado a refletir. É o homem falando de si mesmo. Somos sujeitos e objetos ao mesmo tempo.”somos objeto que escreve e se descreve e tenta compreender o além de si imerso nos próprios conceitos”
Esse é um dos maiores desafios de nossa época. Fica aqui minha reflexão

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

A dor da alma e o adoecimento do corpo


Por Rosangela Brunet


"Ser ás vezes sangra"Clarice Lispector


O corpo fala . E quando estamos doentes é preciso ouvir sua voz. As células encharcadas de ácidos e substâncias tóxicas transmitem a urgente mensagem: socorro, preciso de ajuda.O organismo, neste momento, se prepara para se defender o quanto pode. Como saber o quão grave será a lesão diante de uma realidade dolorosa e difícil de suportar?
A pressão do ambiente, a resiliência, a história de vida, os mecanismos adaptativos de cada um podem ser fatores determinante nesta hora.

Fotografia de Mykukula

A diabetes, um caso clássico de consumo excessivo de açúcar, sedentarismo e obesidade.Mas porque, ou o que faz uma pessoa se tornar sedentária, ou extravasa no açúcar, e consequentemente e se tornar obesa? As palavras chaves são: dores e sofrimentos. Leia o texto de Valcapelli e Gasparetto sobre Obesidade :

"No âmbito metafísico, o aumento de peso está relacionado com a fragilidade interior, que se compara a uma imaturidade emocional. A pessoa sente-se despreparada para lidar com algumas situações, geralmente na relação familiar ou afetiva, mas pode ser também de ordem profissional ou social. Assustada com o desenrolar dos fatos, sente-se desamparada e em vez de enfrentar as dificuldades do ambiente, recorre aos subterfúgios para atenuar suas frustrações.Um dos mecanismos de fuga mais frequentes é a alimentação. A pessoa precisa estar sempre mastigando alguma coisa para atenuar o ócio ou extravasar a indignação, pois. o prazer do alimento compensa o desconforto da realidade, preenchendo o vazio interior.A compulsão pela comida é uma queixa frequente nos casos de excesso de peso, não consegue comer moderadamente, respeitando os limites alimentares e a comida passa a ser uma obsessão difícil de ser controlada.Outra forma de compensar é por meio das faculdades mentais:
- Os obesos são dotados de uma imaginação fértil. Avaliam as situações com muita meticulosidade.
- Destacam-se pela extraordinária criatividade, tornam-se excelentes estrategistas. - As pessoas que sofrem com o aumento de peso são entusiastas, vivem repletas de expectativas, muitas delas infundadas, criando um universo de sonhos. - Geralmente se distanciam da realidade, mergulhando em suas fantasias.
- Preocupam-se demasiadamente com o andamento de tudo, mas não se dedicam objetivamente na efetivação daquilo que é prioritário. - Projetam muito mais do que são capazes de realizar. - Estão sempre insatisfeitos com os resultados obtidos nas situações ao redor, tanto pela sua própria ineficiência quanto pelas expectativas projetadas sobre os outros.
- Amargam fracassos familiares ou profissionais, frustrando sua vontade de interagir com o meio.
No âmbito afetivo, apresentam alguns pontos em comum:
- Tem dificuldade para expressar aquilo que sentem, temem entregar-se ao relacionamento e sofrer decepções, como provavelmente já deve ter ocorrido no passado. - Mostram-se afetuosas com os outros, mas em seu íntimo repousa uma grande carência, que se intensifica por não saberem lidar direito com os próprios sentimentos.
- O temor de serem abandonadas por quem as ama faz com que desenvolvam apego excessivo, manifestando-se em forma de cobrança.
- Exigem constantes explicações, ocasionando um distanciamento cada vez maior entre o casal ou em relação aos entes queridos."

Todo indivíduo tem um limite para suportar a dor. Cada um lida com o sofrimento de formas diferentes a situações diferentes.
Atire a primeira pedra, aquele que suportaria, por muito tempo, uma pressão enorme sobre seus ombros. Assim, acontece também com pessoas que sofrem dores emocionais. A hipertensão é outro exemplo deste sobrepeso emocional. Uma defesa justa para quem não tem mais nenhum refúgio ou ninguém como apoio ;e nao sabe como suportar tanto estresse. Pressões externas, sofrimentos que fogem ao controle, dores emocionais insuportáveis."Haja hoje para tanto ontem", ja dizia Leminsk.

Imagine um indivíduo infartando.O auge da falta, a oxigenação que não pode conter tanta acidez do mundo . E após tantas perdas, a lesão que dilacera a alma diminuindo a irrigação das emoções. Uma isquemia de amor .A artéria esperou e o sangue não veio ,então rapidamente se dá o "enfarte" - a morte da esperança dizendo para as células: é hora de desaparecer. Necrosada vida. Todos os orgãos começam a falir rodeados de raiva, ressentimento, soldão, desesperança e desespero.Um fluxo arterial ininterrupto e incontrolável avisando o miocárdio : o músculo cardíaco não suporta mais.Por exemplo, segundo Carol Iara:

"Problemas crônicos nos pulmões podem se desenvolver a partir de contenções emocionais, falta de iniciativa verbal e passividade – que, por consequência, desenvolvem raiva, bronca, timidez e angústia.O guaco está contraindicado para indivíduos com doenças no fígado, indivíduos que utilizam anticoagulantes, para crianças menores de 1 ano de idade e grávidas."

E a oclusão intestinal que clama por liberdade. Mas as aderências provocam uma torsão intestinal , ele quer soltar as emoções, quer liberar tudo que esta retido ,mas a dor não deixa. O corpo esta comprometido com a circulação ácida de orgulho , das defesas,das proteções , retenções e desequilíbrios........

Repetindo um.....Uma isquemia de amor .A artéria esperou,mas o sangue não veio; então, rapidamente, se dá o "enfarte" - a morte da esperança dizendo para as células: é hora de desaparecer. Necrose da vida. Todos os orgãos começam a falir rodeados de raiva, ressentimento, soldão, desesperança e desespero.Um fluxo arterial ininterrupto e incontrolável avisando o miocárdio : o músculo cardíaco não suporta mais. Agora o sangue não circula mais como antes, pois a estrada se tornou difícil demais. As coronárias estão em alerta!! Os músculo deixam de funcionar como antes , pois a dor e o medo impedem os movimentos .O caso,agora,se agrava e o cérebro entra em prontidão. Dores,sintomas, problemas;sinal que é hora de parar e olhar para dentro de si mesmo, se respeitar , ser gentil consigo mesmo, e ouvir o que o coração quer FAL(H)AR.


Rosangela Brunet
Psicóloga Clínica
Tel: (21)30767009 e (21) 980325009


Referência

[1] Livro A Metafísica da Saúde - Volume 3 - Valcapelli e Gasparetto) editado em tópicos para fins didáticos pela moderação da página.,In:https://www.facebook.com/psicossomaticabr/

sábado, 19 de dezembro de 2015

Liberdade

Por Rosangela Brunet

Nada é mais difícil de aprender a usar do que a liberdade"
(Leonardo Faria, Médico Neurocirurgião e fundador da página MeuCérebro)
Fiódor Dostoiévski, em: "Os Irmãos Karamazov" " explica este fato muito bem.Ele diz: "Desejamos o vôo mas tememos a altura.Para voar é preciso ter coragem de enfrentar o terror do vazio.Porque e só no vazio que o voo acontece.O vazio é o espaço da liberdade, da ausência da certeza.Mas tememos não ter certeza.Por isso, trocamos voos por gaiolas.As gaiolas são lugares onde moram as certezas"
A realidade nem sempre é fácil,e escapamos dela pela porta de trás como loucos fugitivos renunciando a vida . Como reféns evitando a dor nos seguramos na zona de conforto .Mas o preço tem o peso do acesso negado a nós mesmos. E com isso, novas e intermináveis dores vão se multiplicando todos os dias, geradas pela primeira “mentira ”, pelo primeiro desvio de atenção, pelo distanciamento da percepção até o abandono do nosso Verdadeiro Eu .
"Vivemos em um mundo onde há muita coisa pronta, muitas respostas, muitas prescrições de como ser e viver, mas carente de espaço para a vivência do mistério, do silêncio, da possibilidade de questionar, inventar e contemplar" (CARDELLA, 2009)
Quantas chaves andam nos oferecendo por ai.O problema é que elas não cabem na nossa porta : é chave do crescimento, é chave da vitória, é chave da felicidade.É muita receita pra pouco bolo , é muita chave pra raras formatações.As ações são reflexos de nossa forma de pensar.
Quantas chaves andam nos oferecendo por ai.O problema é que elas não cabem na nossa porta : é chave do crescimento, é chave da vitória, é chave da felicidade.É muita receita pra pouco bolo , é muita chave pra raras formatações.As ações são reflexos de nossa forma de pensar.O pensamento é composto de fantasia , imaginação, antecipação, teorização,até que a ação se concretize. 
na vida, tudo tem que acontecer na medida, e no tempo certo de cada um . E, se isso te levar onde você sonhou, e sua vida esta sendo produtiva para você e para quem te ama, então você fez o trajeto correto. Não importa o que a ciência te diga.Não importa o tempo que você levou e em que ritmo você se conduziu.O equilíbrio dessa jornada não esta nestes extremos .O equilíbrio esta no quanto serei capaz de amar e me permitir ser amada.Pois como disse Victor Hugo "Quem ama uma pessoa vê a face de Deus ".


De forma poética eu poderia completar este raciocínio com o que disse Manuel de Barros "...o tamanho das coisas há de ser medido pela intimidade que temos com elas. Há de ser como acontece com o amor." 
É preciso ser livrre de formulas prontas e pré-conceitos apreendidos ao longo da nossa vida.

A liberdade é a capacidade do homem de assumir seu próprio desenvolvimento. É nossa capacidade de moldar a nós mesmos." (Rollo May , “Amor e Vontade”)
Nestes últimos anos, na minha experiência de vida e profissional tenho observado que há pessoas que não sabem ser livres. Ainda que você abra a porta para elas, elas ficam te olhando com aquele olhar de quem esta esperando você explicar porque ela foi punida recebendo essa tal liberdade.A Liberdade exige responsabilidade e enfrentamento do novo.Isso causa muita ansiedade. Por isso, para algumas pessoas, é melhor continuar ligado a situações ou pessoas que as sustentem em seu "Status Quo".No entanto, esse processo pode levar á estagnação , esterilidade emocional e profunda insatisfação pessoal.Ai você entende quando Carlos Drumond de Andrade falou: "A conquista pela liberdade faz tanta poeira, que por medo da bagunça,preferimos,normalmente, optar pela arrumação"
Ainda que possa parecer impossível isso é muito comum em nosso cotidiano.Sempre preferimos dar um jeitinho para não termos muito trabalho de pensar, para não sairmos do lugar, para não gastarmos muita energia, etc...A conquista exige esforço e investimento de energia,de dinheiro, de emoção, de tempo, etc. É preciso fé para sair do lugar. Há casos em que a pessoa prefere continuar na sua rotina e na pasmaceira de sua vida estéril 
Segundo Denilson Paixão "A liberação do potencial de auto-realização (Uma proposta da Abordagem Centrada na Pessoa, Calr Rogers) é um processo inerente a todo ser humano , no qual se constrói a autonomia e a responsabilidade pela própria vida .
O poder dessa escolha e o grau dessa autonomia é o reflexo do seu processo de conscientização e mobilização frente às influências externas, pois estas são responsáveis pelo bloqueio da capacidade natural humana de se realizar e realizar no mundo.(...) A certeza de que o potencial de crescimento e transformação está dentro de cada um - e que cabe a cada um combater a apatia e o conformismo frente às representações hegemônicas e deterministas que permeiam a vida em sociedade - é um importante legado da contracultura,segundo a Abordagem Centrada na Pessoa. Assim como o desenvolvimento de uma consciência mais crítica capaz de romper paradigmas dominantes e padrões de conduta, proporcionando a manifestação natural dos potenciais de realização do homem"
Segundo esta premissa, o que considero mais complicado para mim é o caso de pessoas que nem sequer sabem que precisam ser dessa autonomia, liberdade e responsabilidade.Tem um frase que gosto muito e retrata bem isso, ela diz assim: "Libertei milhões de escravos,mas libertaria mais se eles soubesses que não eram livres"

O pensamento é composto de fantasia , imaginação, antecipação, teorização,até que a ação se concretize. Tudo tem que acontecer na medida, e no tempo certo de cada um . E, se isso te levar onde você sonhou, e sua vida esta sendo produtiva para você e para quem te ama, então você fez o trajeto correto. Não importa o que a ciência te diga.Não importa o tempo que você levou e em que ritmo você se conduziu.O equilíbrio dessa jornada não esta nestes extremos .O equilíbrio esta no quanto serei capaz de amar e me permitir ser amada.Pois como disse Victor Hugo "Quem ama uma pessoa vê a face de Deus ". De  forma poética eu poderia completar o raciocínio com o que disse Manuel de Barros "...o tamanho das coisas há de ser medido pela intimidade que temos com elas. Há de ser como acontece com o amor." 

A liberdade é a capacidade do homem de assumir seu próprio desenvolvimento. É nossa capacidade de moldar a nós mesmos." (Rollo May , “Amor e Vontade”)

Nestes últimos anos, na minha experiência de vida e profissional tenho observado que há pessoas que não sabem ser livres. Ainda que você abra a porta para elas, elas ficam te olhando com aquele olhar de quem esta esperando você explicar porque ela foi punida recebendo essa tal liberdade
A Liberdade exige responsabilidade e enfrentamento do novo.Isso causa muita ansiedade. Por isso, para algumas pessoas, é melhor continuar ligado a situações ou pessoas que as sustentem em seu "Status Quo".No entanto, esse processo pode levar á estagnação , esterilidade emocional e profunda insatisfação pessoal.Ai você entende quando Carlos Drumond de Andrade falou: "A conquista pela liberdade faz tanta poeira, que por medo da bagunça,preferimos,normalmente, optar pela arrumação"
Ainda que possa parecer impossível isso é muito comum em nosso cotidiano.Sempre preferimos dar um jeitinho para não ter muito trabalho de pensar, para não sair do lugar, para não gastar muita energia, etc...A conquista exige esforço e investimento de energia,de dinheiro, de emoção, de tempo, etc.Há casos em que a pessoa prefere continuar na sua rotina e na pasmaceira de sua vida estéril,mas opta por estar lá.Segundo Denilson Paixão "A liberação do potencial de auto-realização (Uma proposta da Abordagem Centrada na Pessoa, Calr Rogers) é um processo inerente a todo ser humano , no qual se constrói a autonomia e a responsabilidade pela própria vida .

O poder dessa escolha e o grau desse autonomia é o reflexo do seu processo de conscientização e mobilização frente às influências externas, pois estas são responsáveis pelo bloqueio da capacidade natural humana de se realizar e realizar no mundo.(...) A certeza de que o potencial de crescimento e transformação está dentro de cada um - e que cabe a cada um combater a apatia e o conformismo frente às representações hegemônicas e deterministas que permeiam a vida em sociedade - é um importante legado da contracultura,segundo a Abordagem Centrada na Pessoa. Assim como o desenvolvimento de uma consciência mais crítica capaz de romper paradigmas dominantes e padrões de conduta, proporcionando a manifestação natural dos potenciais de realização do homem"
Segundo esta premissa, o que considero mais complicado para mim é o caso de pessoas que nem sequer sabem que precisam ser dessa autonomia, liberdade e responsabilidade.Tem um frase que gosto muito e retrata bem isso, ela diz assim: "Libertei milhões de escravos,mas libertaria mais se eles soubesses que não eram livres"Penso que uma dica para a questão da liberdade é aprender a pensar...."Entre as drogas que alteram o pensamento, a melhor é a verdade",disse Lily Tomlin

Segundo Renato Dias Martino "O pensamento é por assim dizer, a capacitação do ‘eu’ (compreendendo o mundo interno) na ligação afetiva com o mundo (externo). O exercício do pensar só se efetiva na experiência, como já se tomou por entendido. Experiência que compreende a ação junto do outro. Depende-se do outro para se pensar Quando não se inclui o outro, o movimento mental não pode levar o nome de pensar, pois ainda conserva características imaginarias.Ainda se encontra como ilusão que só será quebrada na introdução da verdade externa.Dessa forma, sou forçado a depositar meu descrédito em qualquer tentativa de batizar como pensamento, experiências que não compreendam o outro, ou o encontro com a verdade do outro."
Obra de Rodin
"O Pensador"
Rabindranath Tagore. (1861-1941) disse: "Lemos mal o mundo e logo dizemos que o mundo nos engana.Quantas barricadas o pensamento do homem ergue contra si próprio. Se lanço minha própria sombra no caminho,é porque há uma lâmpada em mim que não se acendeu "
Por isso, é preciso aprender a ouvir , tentar entender o que esta sendo dito nos interstícios ,no vão das palavras, no não-dito..É ali que existe as grandes descobertas. .Por isso, te desejo a verdade. ...Por isso...


"Eu te desejo a verdade que nos faz eternos pesquisadores do mundo e da vida. A verdade que não sossega.A que nos acorda de manhã cobrando um tipo de resposta que , talvez, não servirá mais depois de amanhã.A verdade que nos vira a cara a cada encontro.Aquela pela qual só podemos nos ver orientados,mas nunca possuídos "Renato Dias Martino

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Auto Descoberta No Encontro Com O Outro

Por Rosângela Brunet

 A Psique é a ciência do símbolo. E o símbolo engloba o sujeito e o objeto .A cultura ocidental materialista esta acostumado a viver no subjetivo, no discurso do sujeito.O Ego não é o dono da Psique.Existe o arquétipo Self que aponta para a totalidade e mostra que na consciência há o sujeito e o objeto: O ego e o outro .Ambos são formados pelo símbolo, e o símbolo é formado pelo arquétipo" Carlos Amadeu Botelho Byington do Instituto Sedes Sapientae, São Paulo, SP.

Yves Pires - Sculptures

Carl Gustav Jung  diz: " Conhecer sua própria escuridão é o melhor método de lidar com a escuridão dos outros".Ele nos explica que há muito mais a se conhecer e a se dizer além do que as aparências e o verbal. O inconsciente é uma realidade incontestável, e deve ser levado em conta quando se fala de Psique. 
Segundo C.G. Jung " [...] às vezes somos tomados por estados e emoções que despertam em nós impulsos, sentimentos, pensamentos e imagens que nos parecem totalmente estranhos. Frequentemente, tais emoções são diametralmente opostas aos nossos pontos de vista ou intenções, de tal forma que dão a impressão de se tratar de manifestações de um ser com existência própria, diferente de nós.”[1]
A gente tem a mania de não querer ver o que esta na nossa cara. Em geral isso acontece porque temos a tendência de evitar a dor , a frustração e o sofrimento.
A neurose pode ser explicada por um conflito entre o desejo e o Eu. Para Lacan, a neurose não é um conjunto de comportamentos inadequados ou fora da ordem, e sim um mito que perdeu sua função coletiva e que se individualiza em uma história na qual o sujeito não se reconhece mais" Christian Dunker
Bernard Kapfer,

A gente quer mesmo é buscar o prazer.Mas o equilíbrio esta na busca pela verdade e na reflexão dos nossos desejos; aprendendo a diferenciar a fantasia da realidade , saber a diferença entre desejo e necessidade.Os sonhos e desejos que são legítimos contribuirão para uma vida de qualidade . Não se engane com uma
miopia emocional. .O universo não perdoa. Como disse Brena Braz: "Chega uma hora que a realidade te espreme num canto, te dá um tapa na cara e te pergunta: o que é que você está fazendo aqui?”
‘Como disse Renato Dias Martino " Não pode haver superfícies verdadeiramente belas sem compreendermos as enormes profundidades".Enfrentar nossos fantasmas de frente é um desafio,mas nos fará mais fortes e maduros.





"Precisamos resolver nossos monstros secretos,nossas feridas clandestinas,nossas insanidades ocultas" Michel Foucault
Começamos a crescer quando temos coragem de aceitar aquilo que somos e tememos. Ficamos mais fortes quando temos a coragem de olhar no espelho e enxergar tudo que nos assusta ,os nossos monstros mais secretos.Nossa pior escuridão. O problema nessa busca pelo desconhecido em nós e, pela descoberta da verdade é a dor que isso nos causa. Por isso só existe uma maneira de fazê-lo, e isso será através do encontro com o outro. Isso é o que facilita a autodescoberta, pois segundo Lacan  é o outro que nos "nomeia e nos institui"
Bond of Union (1956)_Homage M.C.Escher.Netherlands
Conhecer a si mesmo depende diretamente da capacidade de amar o outro.”Renato Dias Martino
Mas falo de "encontro", não esbarrões .Pois não se pode sentir-se seguramente transparente diante de alguém que não te conforta por você ser quem é .É preciso ser continente , um lugar de acolhimento onde o outro esquece seus medos, descansa dos fardos da solidão e, repousa segura sua escuridão. Li um trecho que gostei muito uma vez e o traduzi do meu jeito:" Não tenha medo de ser fraco e nem seja orgulhoso por ser tão forte. Apenas olhe pra dentro de si mesmo e não se importe com o que os outros dizem Nunca desista e nem desperdice a chance de retornar à inocência..." [2]
Os indivíduos estão em contato com o meio e necessitam de desempenharem papeis na sociedade. Estes papéis são chamados Personas.O  arquétipo da aparência .

Obra de Glenys Barton.

A persona é uma máscara da Psique coletiva que aparenta individualidade, procurando convencer aos outro as e a si mesmo que é individualidade, quando na verdade não passa de um papel no qual fala a psique coletiva. A persona é um complicado sistema de relação entre a consciência individual e a sociedade; é uma espécie de máscara, por um lado, destinada a produzir um determinado efeito sobre os outros,e por outro lado a ocultar a verdadeira natureza do indivíduo" Carl Gustav Jung ,In: " O.C. Volume XVII/2
A Persona  vai se dissipando na intimidade. Por isso as relações são fundamentais no processo de individualização em direção a totalidade.

Referência
[1]JUNG,Carl Gustav . Emma - in Animus e Anima.
[2](Tradução modificada de Enigma in Return To Innocence)

Aos Mestres Com Carinho

Por Rosangela Brunet

Nessa jornada diária , frequentemente nos aparecem mestres que atravessam nossas vidas cujas características são bem diferentes daquele que temos como referência ao longo da vida.São mestres que nada tem a ver com o que idealizamos como referência ou modelo.
Seja na família, na escola,na política. .Eles são uma espécie de mestres destinados a nos ensinar força ,fé ,coragem, persistência e determinação. Por não serem fáceis de serem identificados como mestres perdemos a oportunidade de sermos gratos a eles também.Mas a ambos devemos gratidão por tudo que nos ensinaram.



Há mestres que nos maltrataram e nos fizeram sofrer, com eles aprendemos delicadeza, com os que nos rejeitaram aprendemos solidariedade e empatia.Aos que nos fizeram tropeçar para cairmos impedindo que realizássemos nossos planos profissionais e colocássemos nossos sonhos em prática, esses nos ensinaram misericórdia , persistência e autoconfiança. Já os que nos abandonaram quando precisávamos , com ele aprendemos força interior.E aqueles que nos julgaram ferozmente , foram intolerantes e nos criticaram, sem sequer ter conhecimento de causa, e sem nenhuma disposição de nos amar. Com estes aprendemos tolerância e mansidão. Aos que foram injustos e nos deixaram sem saída ,podemos doar um ramalhetes de lírios para agradecê-los por nos ensinar a justiça e verdade.Há ainda os fracos e maus exercendo poder , mentindo e nos humilhando.Para eles um buquê de rosas, pois nos ensinaram a bondade e humildade .Enfim, em tudo, com todos, e em qualquer situação podemos aprender gratidão e sermos capazes de nos transformar e nos tornar agrandes aprendizes do bem nessa vida cheia de pedras para atirar

Rosangela Brunet  

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

O Prazer Provém da Realização do Potencial

Por Rosangela Brunet

"Bonito mesmo é essa coisa da vida: Um dia, quando menos se espera a gente se supera. E chega mais perto de ser quem - na verdade- é" Fernanda Mello
Todo mundo quer ser feliz, todos nós desejamos a realização pessoa. Carl Gustav Jung fala de um processo chamado "Individuação "  como trajeto pessoal para obtenção desses desejos .A psicologia analítica explica esse processo como um caminho onde o indivíduo busca  se tornar  um ser único, ou seja ,busca alcançar sua singularidade ,sua totalidade- Self. E assim, transformando-se em o nosso próprio "Si-mesmo" .O processo ocorre de forma evoluída,onde ele volta-se mais para seu mundo interno, em busca de resgatar aquilo que foi abandonado e deixou de ser realizado pelo ego em função das demandas sociais, e isso, através das relações com o outro. A Individuação é um dos conceitos centrais da psicologia analítica Carl Gustav Jung foi um estudioso da psique humana e nunca considerou a individuação como sinônimo de perfeição. Aquele que busca individuar-se não tem a mínima pretensão de tornar-se perfeito. Ele visa completar-se que é muito diferente.O processo de tornar-se si mesmo, crescer é ao mesmo tempo árduo, sofrido e lento, mas altamente gratificante e libertador. Dá mais tolerância, mais sabedoria, mais segurança e bem-estar.[1].
C.G Jung cita em sua obra que " Sua vida é a história de um inconsciente que se realizou. Tudo o que nele
repousa aspira a tornar-se acontecimento, e a personalidade, por seu lado, quer evoluir a partir de suas condições inconscientes e experimentar-se como totalidade. " Ele ainda reitera que "Se você deseja construir um caminho individual, ele será o caminho que você construir para si mesmo, que nunca é prescrito, que você não conhece com antecedência e que simplesmente aparece quando você põe um pé diante do outro. Se sempre fizer a próxima coisa que precisa ser feita, você percorrerá com total segurança e a passos firmes o caminho determinado por seu inconsciente." [3]
"A meta da individuação não é outra senão a de despojar o si mesmo dos invólucros falsos da persona, assim como do poder sugestivo das imagens primordiais" Carl Gustav Jung 
Ercilia Simone Dalvio Magaldi abordando este tema afirma que " Quando o ego cede a direção da carruagem da vida ao Self e atua como seu co-piloto , auxiliando-o na realização da plenitude da vida, na realização do mito do significado de nossas vidas, adentramos de forma consciente ao nosso processo de individuação, não criamos resistências egóicas e, assim, não adoecemos, e se doentes, nos recuperamos. Em termos homeopáticos cooperamos com o nosso mais alto fim existencial. Buscamos a realização da "causa finalis" de cada um de nós, que é única e singular. " 
"Vivemos em um mundo onde há muita coisa pronta, muitas respostas, muitas prescrições de como ser e viver, mas carente de espaço para a vivência do mistério, do silêncio, da possibilidade de questionar, inventar e contemplar" (CARDELLA, 2009)
A política da sociedade busca encaixar as pessoas em categorias convenientes a ela, sendo bonito, feio, gordo, magro, nerd, popular, louco, inteligente ,burro, etc são alguns deles. Por mais fácil que seja viver sobre um rótulo, como são apenas máscaras que escondem o verdadeiro eu, serão quebrados. A compreensão sobre si mesmo e a busca de agradar a si e não a sociedade se mostra como o melhor método de superar esse desafio social." [2] Erich Fromm disse que "o maior desafio do homem é dar à luz a si mesmo, é tornar-se aquilo que ele é potencialmente". E Machado de Assis completa esta reflexão com a seguinte colocação " Você é aquilo que ninguém vê. Uma coleção de histórias, estórias, memórias, dores, delícias, pecados, bondades, tragédias e sucessos, sentimentos e pensamentos. Se definir é se limitar. Você é um eterno parênteses em aberto, enquanto sua eternidade durar." .E isso tem que ser respeitado.
Enfim, finalizando ainda com Jung, ele diz que " quando seguimos o caminho da individuação, quando vivemos nossa vida, é preciso também aceitar o erro, sem o qual a vida não será completa: nada nos garante - em nenhum instante - que não possamos cair em erro ou perigo mortal. Pensamos talvez que haja um caminho seguro; ora, esse seria o caminho dos mortos. Então nada mais acontece e em caso algum ocorre o que é exato. Quem segue o caminho seguro está como que morto". 
 Mas existe um outro olhar que permeia este processo. É a resignificação do conceito de Prazer.Este conceito nos mostra um dos caminhos  que o sujeito tem vivenciar para fazer parte do processo de Individuaçao

Christiane Vleugels 
"Há tanta beleza no simples. Num simples sorriso, no olhar de quem te ama. Tanta riqueza, tanto poder no que não se compra, no que realmente é teu. Sabe o que de fato te pertence? O que o amor fez brotar em ti. O resto é poeira, mesmo que tenha custado todo o teu dinheiro."Gi Stadnicki
Bianca Pinheiro nos apresenta um projeto chamado "Pequenas Satisfações Humanas", o qual é super interessante.Ela se utiliza da arte em tirinhas para falar sobre aqueles prazeres humanos simples e bastante subjetivo como, por exemplo:
"Passar cotonete no ouvido, espirrar, sentar em cima das mãos durante os dias frios, tirar um cochilo revigorador, escutar sua música favorita quando você menos espera, estourar plástico bolha… ! São momentos que nos fazem sentir aquela pontinha de satisfação que, mesmo vindo de coisas pequenas e tidas como insignificantes por alguns, acabam fazendo com que um sorriso discreto tome lugar nas nossas faces(...)você irá se identificar com as ilustrações...”

Schutz disse que "O prazer é o sentimento que provém da realização do nosso potencial .A realização traz ao indivíduo o sentimento de que pode defrontar-se com seu meio ambiente;o sentimento de autoconfiança, de ser uma pessoa importante,competente e amorável ,capaz de manejar as situações á medida que surgem, de usar plenamente suas próprias capacidades de ser livre para expressar seu sentimentos. O prazer requer um corpo energético e vivo,auto satisfação, relações produtivas e satisfatórias com os outros e uma relação bem sucedida com a sociedade"[1]
No entanto, segundo Fritz Perls "O homem moderno vive num baixo grau de vitalidade.Ele acha que o tempo para diversão ,prazer,crescimento e aprendizagem é a infância e a juventude, e abdica da vida espontânea quando atinge a maturidade. Parece haver perdido toda capacidade de sentir e de se expressar direta e criativamente. Ele é muito bom falando em problemas, mas pouco sabe lidar com eles.Reduziu a vida a uma série de exercícios verbais e intelectuais.Pouco sabe da verdadeira vida criativa." 
Em seu artigo, Luiz Carlos Garrocho que "A infância tornou-se, em determinados momentos históricos e em alguns contextos sociais, detentora da memória lúdica humana. Ela conquistou essa memória porque os adultos estavam por demais ocupados com a produção e a reprodução da vida. Além de serem depositárias de uma memória que os adultos não podem, nas sociedades industriais, exercitá-la, as crianças reinventam a história humana. Inventam o tempo em que os seres humanos se envolviam corporalmente com o mundo. A criança fabrica o sentido e explora os sentidos antes de ficar memorizando abstrações. Entra em contato com a terra, deixando-a deslizar pelas mãos, sentindo o seu escoamento até fazer um filete comprido.Muitos artistas continuam fazendo o mesmo , e por isso eles guardam uma estranha e aparentemente secreta sensação de felicidade e liberdade."[2]
Segundo a Teoria da Análise Transacional" na infância, a "criança é livre", é aquela que faz espontaneamente aquilo que ela quer, independentemente de regras e normas. Elas são motivadas, possuem um entusiasmo espontâneo, são criativas e independente Elas possuem esta capacidade de apreciar pequenos prazeres como brincar com a água, andar descalço, sentir o pingo da chuva caindo, colocar a mão na terra sem sentir nojo, cair de rir sem sentir vergonha, elas fazem disso uma fonte de alegria e felicidade Com o passar do tempo o indivíduo vai perdendo essa espontaneidade , e se distanciando dessa criança que ainda vive dentro de si . A criança livre que habita em cada um é a fonte de criatividade ,imaginação e alegria.A espontaneidade é justamente quando esse indivíduo resgata essa criança interior esquecida pelas travessias sociais. É quando os sentimentos, as percepções e as sensações mais legítimas estivesses voltando a viver dentro do indivíduo.E é nesta jornada de amadurecimento que ocorre o processo de individuação. É quando começamos a tomar consciência e rever cada padrão de pensamento . C.G. Jung chama isso de "pensamento Limitador ".Se torna, então imperativo repensar cada ação relacionada a estes pensamentos, e observar quais são os hábitos e gerados por estas limitações responsáveis pelo bloqueio mental, emocional e comportamental.
“Sem a consciência (de nossos) potenciais, limitações e das(nossas)necessidades , a liberdade é um conceito ilusório. Essa é a razão de encontrarmos, nos dias de hoje, tanto falatório sobre a liberdade, e tanta compulsividade e instinto gregário e falta de liberdade, conseqüências da negligência em relação à necessidade"providencial" inata, à necessidade de "individuação", que exige nos tornarmos aquilo que somos "destinados a ser"(E. Whitmont ,In "A Busca do Símbolo")
Segundo Ângela Magda, Denise de Souza e Mônica Neves “Se queremos matar uma ideia em sua nascente, basta criticá-la efusivamente ao ser apresentada, rir ou ridicularizá-la diante.dos demais; e se quem a apresentou não desenvolveu ainda características de personalidade como persistência, independência de pensamento, autonomia e coragem para assumir riscos (como acontece freqüentemente com a criança pequena, em estágio de desenvolvimento), teremos então a quase certeza de que seu pensamento criador, no nascedouro rico, espontâneo e divergente, passará por uma transformação radical, da qual restará apenas a rigidez, o conformismo, a dependência de pensamento, a cópia e reprodução das idéias. " [3]
As escolas e educadores sob a influência dessa cultura sofrem com esse tipo de determinismo limitador. Podem ser veículos inibidores da criatividade de muitas crianças caso não estejam consciente dessa realidade.
Obra de Cândido Portinari 
"Meninos Soltando Pipas",1938
O fato é que se não tomarmos cuidado acabamos nos tornando robôs sociais. Sem autenticidade espontaneidade suficiente para prazer suficiente nas coisas simples e essenciais,as quais não possuem preço,pois não estão á venda.
Atualmente estamos vivendo em uma época que apesar de termos liberdade para se expressar, para fazer e penar oque quisermos , tenho que concordar com Sliker quando ele diz que " Para ser autêntico e espontâneo é preciso muita coragem, pois vivemos em um universo onde expressões de visão individual representativa do que é subjetivo não são bem vindas .A sociedade ,embebida em pensamento egoísta e na luta pela sobrevivência procura o objetivo, o tangível, o certo, o seguro”[4] 
Por isso a arte é tão importante, pois ela facilita o resgate desta espontaneidade de várias formas. 
Em primeiro lugar, porque uma da técnicas utilizadas para resgatar esta espontaneidade é tomar consciência de si mesmo como objetivo de desenvolver o autoconhecimento e auto satisfação.E a arte facilita isso porque os materiais utilizados pelos artistas podem servir, se bem direcionado, para otimizar este processo.
Em segundo lugar porque a espontaneidade e a criatividade esta diretamente proporcional a capacidade de conhecer e lidar com seus próprios sentimento,impulsos e instintos . (FREUD, 1910) disse: “A natureza deu ao artista a capacidade de exprimir seus impulsos mais secretos, desconhecidos até por ele próprio, por meio do trabalho que cria; e estas obras impressionam enormemente outras pessoas estranhas ao artista e que desconhecem, elas também, a origem da emoção que sentem”. 
E finalmente, porque as imagens contidas no inconsciente são resgatadas no fazer artísticos.Mas você pode estar pensando :eu não sou artista,não tenho nenhuma habilidade artística .
Minha intenção nesta reflexão é chamar a atenção para o fato de que todos nós possuímos um gênio criativo dentro de cada um, mas se encontra reprimido e desconhecido , pois não fomos educados para desenvolver nosso cérebro em toda sua dimensão .A espontaneidade foi comprometida e até mesmo, em muitos casos, totalmente anulada. Mark Rothko, um artista que muito admiro disse uma vez :" Para nós, a arte é uma aventura em um mundo desconhecido, que pode ser explorado somente por aqueles dispostos a assumir os riscos. Eu não sou um abstracionista. ... Eu não estou interessado nas relações de cor ou forma ou de outra coisa. ... Estou interessado apenas em expressar as emoções humanas ... ".
Schutz nos explica que a nossa capacidade de aprender, perceber e sentir esta num nível inconsciente e diretamente ligada ao desenvolvimento emocional.Aqui é onde a nossa "criança livre precisa ser respeitada e aperfeiçoada conforme cada cultura, mas sem anular a identidade do indivíduo e mantendo sempre a capacidade de responder as demandas sociais de forma equilibrada,ou seja, saber encontrar o equilíbrio entre o que desejo e necessito e o que a sociedade me impõe e requer de mim. Fritz Perls dizia que o maior desafio do homem é esse:encontrar este equilíbrio,e que a neurose se instala nesse meio fio que vamos alinhavando ao longo na tão complexa jornada.
“As palavras que movem e que constituem perigo são as palavras que não podem ser ditas em nenhuma língua: as palavras dos sonhos. [...] Quando não se fecha uma estória, a multidão fica contaminada pela doença de sonhar.” (Mia Couto. "Antes de nascer o mundo").
Enfim, o gênios criativo que esta dentro de cada um de nós tem esta capacidade:encontrar esta palavra escondida, a imagem desconhecida, o outro que nos habita, e isso nos vem no fazer artístico através de imagem, de cores, de sons, ou materializada em argila ou movimento, cenas pintadas, sons e letras. Seja em qual for o tipo de arte, você poderá alcançar esta "palavra". Mia couto sabia o que estava falando quando se referiu a esta linguagem tão perigosa.Ele sabia que ela era transformadora e libertadora,pois tinha consciência de seu poder de conectar o homem com seu seu verdadeiro Self .


Referências Bibliográficas
[1]William C.S.Schutz In:"O Prazer"
[2 Por Luiz Carlos Garrocho,"O Brincar e Suas Linhas de Errância-Artes Cênicas e Educação(http://contruindooser.blogspot.com.br/2013/04/por-luiz-carlos-garrocho-o-brincar-e.html)
-http://exibircertificado.blogspot.com.br/2013/07/artistas-que-profetizam.html
[3 ]TOC,TOC,Plin Plin
[4]( G.Sliker,1992,p ag.111)http://lounge.obviousmag.org/venturarte/2013/08/pequenas-satisfacoes-humanas-em-formato-ilustrativo.html
Artes e Ideias por Camila Agner

Referências: 
[1] Fonte: Entrevista: Alma e pensamento sem fronteiras - Dulce Briza - Revista JUNG e JUNG Vida e Obra de Nise da Silveira.
[2]Allisson Vasconcelo Oliveira e Isabelle Fernandes Vieira de Matos Rocha
[3]Trecho da carta de Jung para Frau V. - Fonte: C. G. Jung CARTAS - vol 1 selecionadas e editadas por Gerhard Adler com a colaboração de Aniela Jaffé - Petrópolis - Vozes, 2002-2003Instituto C. G. Jung MG
[4] livro Memórias, Sonhos e Reflexões- Jung


[5] BOLETIM CLÍNICO - número 20- julho/2005http://www.pucsp.br/clinica/publicacoes/boletins/boletim20_11.htm

Auto Conhecimento : Organizando O Lado de Dentro

Por Rosangela Brunet 
"Cada um precisa organizar o caos em si, de tal modo que se concentre nas suas necessidades autênticas. Sua sinceridade, seu caráter vigoroso e verdadeiro precisa se opor algum dia ao que apenas sempre repete o já dito, o já aprendido, o já copiado. (…) o conceito de cultura com uma physis nova e aprimorada, sem dentro e sem fora, sem dissimulação e convenção, como uma unanimidade entre vida, pensamento, aparência e querer.”Friedrich Nietzsche
Uma das importâncias de se preservar a individualidade é pelo fato do  comportamento de um indivíduo estar  diretamente ligado  ao comportamento coletivo.A sociedade como grupo constituído de indivíduos organizados vivendo em comunidade é o reflexo do comportamento desses indivíduos. Por isso, pode-se dizer que um país se comporta em função do comportamento dos indivíduos que vivem nele ; e desse modo cada indivíduo também age da mesma forma que sua cultura ou sociedade determina .Á partir dessa premissa, pode-se concluir que primeiramente é necessário a transformação da atitude dos indivíduo para se começar a esperar a transformação de uma sociedade .As transformações pessoais acontecem de dentro para fora, assim como as transformações sociais começam dos indivíduos em direção ao coletivo.Não se pode resolver nenhum problemas na humanidade através de imposições ou decretos coletivos. A mudança se inicia dentro de cada um de nós. Cada atitude transformada provoca uma onda de mudança coletiva   produzindo um "Tsunami Social”.Toda transformação acontece pela aprendizagem de novo mode de ser , esta aprendizagem acontece pela disseminação do conhecimento e pelo estabelecimento de modelos positivos. 
"Suas atitudes falam tão alto que eu não consigo ouvir o que você diz"
Ralph Emerson
Obra de Alfonso Maggiolo Peirano
 Chile El Kito de Sísifo

A palavra orienta e serve de referência enquanto discurso,mas o processo de aprendizagem se da  através da observação de um modelo significativo e representante de afetos positivos   .A transforação acontece pelo amor como disse Paulo Freire e Rubem Alves .Benjamin Franklin cita que "Um bom exemplo é o melhor sermão. E François La Rochefoucauld complementa dizendo "Nada é tão contagioso como o exemplo. É preciso promover a transformação social através da nossas própria transformação.E, obviamente, este não é um processo fácil,mas não tem como evitá-lo se desejarmos alcançar a satisfação e realização pessoal e profissional produzindo impacto no social.Mas porque essa travessia é tão difícil ,dolorosa, assustadora e muitas vezes, até impossível de acontecer ?
Há múltiplas respostas,mas me arriscarei a refletir sobre algumas questões importantes.
Em primeiro lugar todos sabemos que olhar por dentro de nossas máscaras é um processo difícil e profundo, pois teremos que enfrentar conteúdos dolorosos de se lidar, os quais durante a vida toda rejeitamos ver. São conteúdos que foram recalcados, reprimidos, "esquecidos", jogados no porão, para não serem enfrentado. É importante dizer que esse enfrentamento não pode acontecer sem a presença do outro , e, é nesse instante que este processo se torna mais difícil e complexo ainda,pois exige coragem e disposição de se expor e se denudar.
Essa coragem e disposição se torna necessária devido aos sentimento gerados pelas dificuldade nas relações Interpessoais e afetivas,  tais como: ansiedade, angústia, medo, culpa, vergonha, alegria , confusão, etc.
Cada pessoa, com sua história de vida vai vivenciar esta experiência com sua particularidade. Mas o fenômeno mais comum diante desse enfrentamento é a ansiedade. Uma das causas da ansiedade é o medo que se sente quando se esta enfrentando algo desconhecido.(Leia Mais sobre o tema no Link abaixo).A ansiedade de enfrentar o novo e este novo gerar rejeição é o eixo do desvio que leva muitas pessoas a adotarem comportamentos superficiais.No entanto, como disse Rubem Alves: "A vida não comporta a mesmice. ´Temos que nascer, crescer, reproduzir. Nenhuma planta é igual a si mesma num momento subsequente de tempo. As pedras,sim,  não nascem, nem crescem, nem envelhecem, nem se reproduzem. São sempre as mesmas. Mortas."
Fernando Pessoa em de seus poemas faz alusão a necessidade que o indivíduo tem de  se desapegar para que ele possar viver  plenamente e longe da legitimidade de ser.Ele diz que:  "Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos."  
Este poema retrata exatamente este momento em que é necessário atravessarmos alinha da zona de conforto, o tal "Status Quo" . á fim de sermos nós mesmos e podermos desfrutar da maior autenticidade e plenitude. Pessoa  se utiliza de  metáforas perfeitas,pois lança mão de certos símbolos extremamente adequados  para falar da necessidade que o sujeito tem de se transformar e enfrentar as mudanças.Ele usa a  roupa e o corpo, os quais fazem parte deste  processo de travessia  de transformação.
Por exemplo, para a Psicologia Analítica de C.G. Jung , a roupa é um símbolo que esta ligado ao arquétipo "persona" , que se manifesta na forma como nos apresentamos em sociedade.A nossa aparência. Segundo Ana Cristina Curi "Persona ,como arquétipo, é uma predisposição psíquica universal que estrutura a experiência da adaptação ao meio. A Persona é a forma pela qual nos apresentamos ao mundo.A origem dessa palavra é um termo grego que Jung introduziu em sua obra psicológica e designa a máscara, a forma como nos apresentamos socialmente. Esse termo, utilizado pelo fundador da Psicologia Analítica, tem sua origem nas máscaras utilizadas pelos atores gregos em encenações das tragédias."
E, nessa linha de pensamento, nas tramas de vida que vamos vivendo e tecendo nossa história, essas roupas vão ficando velhas, inadequadas e sujas. Por isso, é fundamental não deixarmos de acompanhar as mudanças sociais, porém sempre respeitando a individualidade e o espaço vital de cada um. O ponto crítico nesse processo é saber exatamente a hora de mudar, o que mudar, e substituir pelo o que? Ainda que essa jornada seja uma aventura,muitas vezes assustadora, essa mudança é essencial à  qualidade de vida e à saúde emocional. Veja o que diz Whitmont:  "Em sociedade, é importante desenvolvermos nossas personas assim como um ego adequado para que possamos nos relacionar com o coletivo. Devemos ter em mente, a necessidade dessa exigência, não deixando de lado, porém, aquilo que realmente somos. "Temos de descobrir que usamos nossas vestimentas representacionais para proteção e aparência, mas que também podemos nos trocar e vestir algo mais confortável quando é apropriado, e que podemos ficar nus em outros momentos. Se as nossas vestes grudam em nós ou parecem substituir a nossa pele é bem provável que nos tornemos doentes"[2] 
Persona tem uma ligação semântica com a palavra personalidade, que significa máscara. C.G. Jung dizia que a psique tem uma recurso muito próprio que possibilita o indivíduo esconder ou revelar os pensamentos e sentimentos conscientes . Esse recurso é uma defesa do ego. A máscara, ou a persona é essa utilização egoica utilizada para isso, pois permite o indivíduo ao mesmo tempo que observa o outro, se protege dele e de si mesmo. O problema é que enquanto nos defendemos do outro, ficamos cegos para nos ver também. Por isso, Fernando Pessoa se utilizou bem da metáfora quando se refere a trocar a roupa usada , pois só assim será possível enfrentar o fundo de nossas mascaras. Por um tempo, pode ser saudável se utilizar de máscaras ou se vestir com roupagens pouco confortáveis , mas fora de tempo essas roupas correm o risco de se "tornarem nossa pele" ou se esgarçarem.
A pele é o maior órgão de nossos corpo, e ela tem uma grande função de defesa , expressão e aparência. Muitas doenças psicossomáticas aparecem na pele, pois é um dos lugares mais suscetível a tensão psíquica justamente por seu simbolismo de defesa. As doenças psicossomáticas seguem esses traços do simbólico e se instalam enviando mensagens existenciais através destes símbolos. Segundo Fritz Perls "Lidar de forma isolada com os diferentes aspectos da personalidade humana ajuda a reforçar a crença de que o corpo e a alma são partes isoladas e conjugadas de forma misteriosa e desconectada.O indivíduo é um organismo vivo e dentro dessa dinâmica ,existem aspectos que são chamados de corpo, mente e alma .O corpo é a soma das células, a mente é a soma de percepções e pensamentos , e a alma é a soma de emoções. Tudo isso fazendo parte de uma estrutura dinamicamente integrada .São partes de um todo "
O corpo fala e sua comunicação é complexa e delicada. É importante para nossa saúde mental e física aprender sua linguagem e saber interpretar seus sinais. A dor,por exemplo, é um alerta nos chamando a atenção de que algo não esta bem.Não ignore os sinais do teu corpo .O que calamos e o que experimentamos ficará registrado no nosso corpo.Uma linha história se escreverá. Se a dor que a gente sente não puder ser expressada ela poderá vir em forma de aflição.O resfriado que pegamos insistentemente pode ser nosso corpo chorando a falta de afeto ardendo em febre .Quem sabe se a gastrite não é a ácida raiva corroendo nossa vida; ou então, vai ver se nosso coração estiver querendo parar pode ser a esperança de futuro que a gente deixou de alimentar . Como disse George Groddeck " todas as doenças têm um propósito...as pessoas criam suas doenças, não de forma arbitrária, mas sob a influência de uma compulsão interior.
Obra de Danny O'Connor
Por isso, trocar a pele natural por uma roupa ou máscara pode nos tornar um artefato social incapaz de enxergar o mundo e, até mesmo nos tornar um indivíduo incapaz de viver de forma espontânea até chegar no limite de produzir sintomas físicos. Essa mesma pele que protege também pode influenciar a nossa visão de mundo e, nos impedir de ver a dimensão invisível que existe dentro de nós e além de nós. Por isso, é tão fundamental esse processo de trabalhar essas personas no tempo certo de cada um ,pois o processo de adaptação é como um recurso de defesa psíquica, e funciona como um sensor que não pode ser desregulado. Nessa regulação que o organismo vai se desenvolvendo e buscando sua integração e plenitude. Mas o grande vilão dessa história são as demandas sociais que quase nos engolem diariamente , e esta sempre nos enfrentando tentando nos tirar desse equilíbrio, nos seduzindo a nos mascarar no nosso dia-a-dia mais do que o necessário.E nesses traços desviantes da rotina corremos o risco de nos apegarmos a papéis que acabamos priorizando e deixando nossa maior missão de lado : viver na vasta amplitude do Ser que existe me nós ,ainda que desconhecido.
"...se não ousarmos fazer esta travessia teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." Fernando Pessoa
Mas porque essa travessia é tão difícil ,dolorosa, assustadora e muitas vezes, até impossível de acontecer ?Há múltiplas respostas,mas me arriscarei a refletir sobre algumas questões importantes.
Em primeiro lugar já explicamos que enxergar o interior de nossas máscaras é um processo difícil e profundo,pois teremos que enfrentar conteúdos dolorosos de lidar, os quais durante a vida toda rejeitamos ver. São conteúdos que foram recalcados, reprimidos, "esquecidos", jogados no porão, para não ser enfrentado. E, é importante dizer que esse enfrentamento não pode acontecer sem a presença do outro , e, é nesse instante que este processo se trona mais difícil e complexo ainda,pois exige coragem e disposição de se expor e se denudar. Essa coragem e disposição se torna necessária devido aos sentimento que se apresentam a nós neste momento tais como: ansiedade, angústia, medo, culpa, vergonha, alegria , confusão, etc.Cada pessoa, com sua história de vida vai vivenciar esta experiência com sua particularidade. Mas o fenômeno mais comum diante desse enfrentamento é a ansiedade.Uma das causas da ansiedade é medo que se sente quando se esta enfrentando algo desconhecido. 
A ansiedade é uma agitação provocada pelo medo, que faz a pessoa agir impulsivamente, sem organização e disciplina. Uma pessoa ansiosa costuma lidar com as coisas de maneira precipitada, movimentando-se freneticamente quando deveria manter a calma. O medo e a ansiedade são os grandes inimigos da transformação.Causam estagnação ou desvios perigosos e, de uma forma ou de outra, impedem o fluxo natural da vida, afastando você da sua capacidade de crescimento pessoal " Roberto Shinyashiki
E não ha nada mais desconhecido do que nossas sombras *. Essa ansiedade citada Shinyashiki realmente impede a expansão do pensamento e o crescimento, mas também nos chega diante desse mesmo processo. Nessa ampliação de horizontes em direção a uma nova visão de mundo o medo do novo e do desconhecido vem nos afrontar. Neste momento é essencial que a pessoa não se renda e fuja desse caminho de autoconhecimento. O trabalho de tornar-se consciente de si mesmo é uma caminho para sair desse ciclo de energia desperdiçada.

Não podemos mudar nada sem que primeiro a aceitemos.
Carl Gustav Jung

Quando olho para dentro passo a me ver, a me conhecer e abre-se, então, a possibilidade de aprendizagem e expansão de pensamento. Sair do lado de fora em direção a introspecção me leva a ser um ser ativo no mundo agindo de forma responsável, ou seja, passo a ter a capacidade de responder aos estímulos externos e internos que me chegam .Abandono todo o silêncio de um espectador para me tornar um agente transformador. E,nessas tentativas de (des)mascarar-se ou despir-se o que esta velado pode produzir uma ansiedade insuportável e, é muito comum o indivíduo correr desesperadamente em direção a alguma atividade que possa aliviar essa tensão, expectativa,angústias, culpas , medos,etc.
Há algumas atividades bem importantes que ajudam transferir nessa hora energias deslocadas erroneamente para alvos mais produtivos. Mas estas atividades não serão citadas aqui agora. Neste artigo eu gostaria de exemplificar uma atividade muito interessante que encontro em muitos pacientes que relatam ser mais relaxante e confortantes para eles neste momento : a arrumação de seus armários .Escolhi esta atividade em parceria com aquele trecho de Fernando Pessoa, pois ambos contém uma forma simbólica de configurar o que esta acontecendo naquele momento com a pessoa que precisa encontrar uma saída para tanta tensão e sofrimentos diante de uma ameaça no enfrentamento do desconhecido.
Normalmente na psicoterapia o paciente vive este processo de autoconhecimento intensamente produz , muitas vezes, ansiedade, angústia , agitação e descontrole. Alguns pacientes relatam que arrumar o armário o ajuda a organizar seus pensamentos e colocar em perspectivas o que eles ainda não conseguem enxergar em sua totalidade . Então eles arrumam seus armários, suas gavetas, seus documentos ou qualquer coisa pendente que "deixou para depois". e, é justamente essas "pendências" que estão cobrando e pesando no processo de integração. 
Tem coisas que todos nós deixamos para fazer outra hora porque não consideramos tão essencial assim; mas ,se formos postergando depois, e abrindo uma caixa 2, numa gaveta, numa das partes do armário, ou até mesmo um quartinho inteiro de bagunça , esse "depois" poder-se-á tornar-se horas, dias e até anos de atraso de qualidade de vida e saúde mental.Observo que sempre que as pessoas recorrem a este artifício de "arrumar suas bagunças" e "coisas pendentes" , elas vão ficando mais calmas.Na medida que vão organizando os papéis, colocando-os em pastas separadas, arrumando as roupas de forma mais prática, eles vão descobrindo que sempre tem algumas coisas que sobrou , que estava pesando mais e eles não percebiam;sempre descobrem que eles não tinham mais necessidade de guardar tanta coisa assim; que aquelas coisas estavam ali por puro apego.
Quando alguém me traz esse tipo de questão eu faço dela um exercício , levando-a a vivenciar essa prática na vida real. Levo a pessoa "para frente" do guarda-roupa, e procuro fazê-la vivenciar esse processo de "arrumação de bagunça" na prática levando-a a relacionar esses objetos que serão arrumados aos conteúdos esquecidos, reprimidos e recalcados. Peço que ela jogue fora tudo que não serve mais, tudo que esta pesando , que a prende, que a atrasa, que cega ela pro dentro. Nessa hora sempre existe aqueles papéis que nunca foram lido mas a pessoa guardou porque achava que iria ler um dia; tem as notinhas de compras que ficaram no fundo da bolsa e já faz meses que o produto acabou ; tem as roupas que já não cabem mais nelas,mas elas insistem em esperar emagrecer.Tem as roupas que já se acostumaram muito com o corpo da pessoa e perdeu o caimento,mas o paciente continua usando as mesmas roupas para ir a lugares novos. Tem as bolsas que saíram de moda ou ficaram velhas ,mas a pessoa não faz nenhuma questão de se atualizar; tem aqueles bilhetinhos do chefe que sempre se guarda pra não esquecer a tarefa importante que priorizou,mas a tarefa foi cumprida com êxito e pessoa ainda fica com ele ; tem os bilhetes de teatro ou algum show que ficaram lá como lembrança daqueles dias maravilhosos que foram vividos ,mas a pessoa nunca consegue guardar ;tem os cartões de aniversário que ficaram registrados na memória,mas a pessoa esqueceu no fundo da bolsa ; tem as sujeirinhas e as pedras que caíram do colar,mas a pessoa insiste em manter aqueles resíduos do passado; tem os papéis com telefones anotados que se esqueceu de passar para a agenda,e o indivíduo ainda nem conseguiu se livrar da agenda da anterior. Enfim, nessa hora a pessoa tem que decidir se vai se livrar de tudo isso ou não. Será um processo de priorizar, de luto e resignificação de conceitos, reconstrução de caminho e descobrimento de novos espaços e terras .Mas para isso será fundamental o indivíduo aprender discernir o que é essencial do inútil. Do contrário, o lixo e objetos continuarão se acumulando e pesando desnecessariamente.A vida da gente é bem assim mesmo .Se a gente não tomar cuidado, ás vezes, tem coisas demais sobrando dentro de nós , ou atrás nos puxando , ou pesando em cima .Ainda tem aquelas coisas roubando a nossa esperança e tirando a nossa fé; e, tudo isso nos impede de vivenciar novas experiências. O fato é que o equilíbrio entre o apego e o desapego e, a capacidade de gerenciar nossas vidas são questões fundamentais para nossa saúde mental e qualidade de vida.Todo excesso de peso e lixo guardado dentro de nós nos faz mal emocionalmente.É uma ameaça para nossa qualidade de vida.
Desapegar é uma dificuldade para muitas pessoas. A capacidade de organização e estabelecimento de prioridades e, o equilíbrio para lidar com as angústias, ansiedades e culpas que são geradas nesta hora do desapego é como enfrentar uma batalha armada que evitamos desesperadamente.Organizar nossas "bagunças" é um caminho para a harmonia interna e o equilíbrio sistêmico do indivíduo. E nele a pessoa vai arrumando seu quarto,organizando sua vida,revendo seus conceitos, repensando suas escolhas, resignificando seus pensamentos, e reparando seus erros. E, no fim, pode acreditar ,você sempre acabará encontrando coisas lindas, brilhantes e preciosas no meio dessa bagunça do guarda-roupa,basta ter coragem e paciência de procurar.
Desde a infância aprendemos a nos apegar,a fazer vínculos, a guardar o que tinha valor e a jogar fora o que não servia. O ódio e o amor por um objeto ou pessoa é um conceito construído desde a tenra infância , na fase oral, quando temos contato com o seio materno. O conceito de organização vai se desenvolvendo mais tarde na fase anal,onde a criança aprende o controle dos esfincteres. Nestas duas fases estão canalizadas energias importantes para que o adulto conquiste uma vida mais saudável em suas relações com o outro e com o gerenciamento da vida em geral.Por isso, para quem é pai ou mãe sugiro investir uma atenção especial para seus bebês nesse período. Pois, se o indivíduo ficou fixado numa destas fases ele voltará sempre nelas para obter prazer na hora da ansiedade,angústia ou culpa. Vai buscar um tamponamento qualquer para se livrar das mesmas angústias das quais se escondeu na tenra infância, e por isso, continua a se esconder se apegando demais ao que é desnecessário ou ao que é ofensivo a saúde mental e física, ou organizando demais de forma sistemática . 
“Parece perfeitamente normal que aos quatro anos de idade uma menina chore penosamente se sua boneca se quebrar, ou aos seis anos se a governanta reprova-la, ou aos dezesseis se ela for desprezada pelo namorado, ou aos vinte e cinco, talvez, se um filho dela morrer. Cada um desses determinantes da dor tem sua própria época e cada um desaparece quando essa época terminar. Somente os determinantes finais e definitivos permanecem definitivos. Devemos julgar estranho se essa mesma menina, depois de ter crescido e se tornado esposa e mãe, fosse chorar por algum objeto sem valor que tivesse sido danificado. Contudo é exatamente assim que se comporta o neurótico” – S. Freud: “Inibição, Sintoma e Angústia”. E completa Quinet: Isto porque todas essas perdas têm um significado: castração, que resume os “determinantes finais e definitivos”. Eis por que são dolorosas, e o sujeito, PARA SAIR DA DOR, DEVE FAZER O LUTO DO QUE PERDEU."[5]
Claro que este exemplo de arrumar armários é um caso simples e cotidiano , mas pode ser o reflexo do que esta acontecendo dentro da pessoa. Por isso, me utilizo dele para tentar comentar sobre a dificuldade que muitos indivíduos possuem de se desapegar de objetos ou pessoas causando transtornos falta de direcionamento na hora de se sentir realizado e pleno enquanto sujeito no mundo. 
O hábito que muitos possuem de exigir tudo arrumado compulsivamente, ou em outro extremo, não conseguir organizar nada na sua vida compromete a qualidade de vida de uma pessoa produzindo impacto
em seu ambiente familiar ou ambiente de trabalho. No primeiro caso a pessoa esta tão apegada a coisas ou objeto exigindo perfeição, que perde a capacidade de criação e espontaneidade . No segundo caso ,o indivíduo se torna tão confuso e sem critério de ação que não consegue atingir meta alguma, pois não consegue planejar nada e, não enxergar nenhuma estratégica na hora de elaborar um plano de vida. 
Para clarear um um pouco mais este assunto gostaria de refletir sobre o que Freud e Fritz falam sobre pensamento.Porque não tem como separar o processo de reconstrução, resignificação e transformação do processo de pensar
Nosso querido Sigmund Freud diz,por exemplo, que "O pensamento é o ensaio da ação".Mais tarde Fritz Perls vai afirmar que a "A ação é inimiga do pensamento"Porque? Você pensa antes sua ação para antecipar, planejar, e prever soluções possíveis. Aqui o pensamento pode ser incluir também a ilusão onde a "verdade" de cada uma esta sem experimentação. Ou você pensa para agir, ou você age e sofre as consequências de ações mal planejadas.Há uma grande importância em se abrir para o processo de pensamento para que possamos conhecer a diferença entre o que é legítimo para mim mesmo, e o que é demandando pelo social ou pelo outro.

Por isso , o investimento no processo de pensar nos poupa de erros na hora de agir. O neurótico falha no agir porque sua forma de pensar esta engessada , robotizada ou desorganizada incapacitando -o a ser espontâneo e criativo .Sua forma de ver o mundo e se ver o impede de estar em contato consigo mesmo e com o mundo de forma eficaz, e assim ele não consegue atuar no meio para obter satisfação plena .Quando estamos pensando, estamos economizando energia futura de ação, pois estamos planejando o que fazer com critério, ordem e perspectiva. Sem isso sairíamos sem direção e desperdiçaríamos muito tempo e energia para chegar onde queremos e atingir algum objetivo.Por exemplo, quando estamos planejando uma viagem primeiro pensamos no que vamos precisar para que a viagem seja um sucesso.Depois começamos a traçar planos de ação em direção aquilo que planejamos e depois entramos a ação .Organizamos as roupas, compramos as passagens, reservamos o hotel,fazemos as malas, deixamos a casa preparada para ficar vazia, deixamos o cachorro com a vovó, etc.E ,então partimos para o sucesso de nosso empreendimento. 
Nesse processo de pensar explica a dificuldade que algumas pessoas possuem de lidar com suas "bagunças" . Nesse exercício de "arrumação" observa-se o quanto é possível projetar os objetos internos na atividade ou nas ações que ela executa. O reflexo do pensamento é a ação. O nível de organização e desapego reflete o estado emocional de cada um nas ações do dia-a-dia.
Se um dia você estiver passando por esta experiência observe se tem alguma coisa que te dói se desfazer, que te custa doar. Se pergunte quais as tarefas você procrastinou por tanto tempo e porque ? É muito comum também cair na armadilha de arrumar uma "caixa extra" para as coisas "diversas" que não se sabe nomear, dar sentido, ou encontrar uma função. Então elas ficam lá naquela caixa por anos a fio porque não se consegue desapegar ou organizar. Porque não se encontra lugar para aquilo? Porque se valoriza demais aquilo outro?
Tem um trecho da música da Tina Turner que diz: "você tem que deixar tudo ir embora -se limpar. Se você está infeliz com alguma coisa que faz você ficar pra baixo,livre-se disso. Você verá que quando você estiver livre, sua verdadeira criatividade e seu verdadeiro eu virá para fora "
Esse trecho é um exemplo de prática incentivadora que gosto de ter.Mas sabe-se que nem sempre isso é tão fácil assim, pois na vida os sapatos e bolsas podem ter adquirido cargas carregadas de afetos que demoram anos para se gerenciar. Muitas vezes um objeto nem sempre poderá ser substituídos tão rapidamente por outro . Há bilhetes rasgados que podem custar a uma fortuna , até a assinatura de um divórcio. Há roupas velhas que podem se tornar preciosas e confortáveis para um recomeço , pois diminuem a ansiedade na hora de pagar a conta.
No entanto, segundo Renato Dias Martino: "Desapegar-se da realidade é uma tarefa simples comparada à empreitada de desfazer-se de uma ilusão(...)A ilusão é tão importante quanto a realidade, para aquele que se dedica ao exercício do pensar" 
Se eu me desapego devo saber que tenho que deixar para trás muitos afetos, ilusões e sentimentos desconhecidos não elaborados juntamento com o objeto ou pessoa abandonada .Apesar da bolsa estar velha , ela fez parte um momento importante que deve ser deixado para trás, mas isso inclui enfrentar o medo do novo , encarar a ansiedade e se encorajar a vivenciar culpa disfarçada de amor e de apego até que ela seja desmascarada.É essencial que possamos aprender a reconhecer raivas pelas dores que foram registradas, as angústias de não se saber como viver sem aquilo ou sem a pessoa agora. O fato é, que o desapego deve ser tomado na dose certa sempre que for necessário!E isso é uma arte marcial,mas um caminho de saída em direção a vida saudável. Essa atitude vai ajudar você a andar com mais força e firmeza .É um ato decisivo para o crescimento e maturidade.
O trecho de Pessoa é incontestável."Tire o velho para que venha o novo".Mas o que se faz com os afetos que também deverão ser abandonados ? O que fazer com a angústia gerada pela dúvida e medo do desconhecido, o que fazer com a dor do luto,da perda. Mesmo o menor dos objeto carregam com ele sua importância.Como refazer um caminho quando ainda não conseguimos entender o que estamos deixando para trás?
Não há uma resposta pronta para ensinar alguém a arrumar suas " bagunças " sem que ela sofra e viva o luto necessário. Mas há algumas direções que se pode sugerir .
A primeira é aprender a aquilatar o valor de cada objeto, bem como sua função. Claro, que não existe nehuma praticidade nessa hora , mas é possível aprender a colocar cada roupa em seu devido lugar mesmo que não seja mais do nosso lado .Em segundo lugar, é mister redirecionar nossas energias para os objetos necessários para a nossa legítima necessidade e desejo. E nesse momento há uma gatilho fundamental que precisa ser acionado.O autoconhecimento. Do contrário não se pode saber o que se deseja ,o que se necessita, o que não tem mais valor ou o que é útil , se não houver o mínimo de introspecção e autoconhecimento
A questão importante e essencial contida nessas prática me remete a quarta direção: saber reconhecer em nós os sentimentos que realmente devem ser perpetuados e outros que devem ser extintos.
Porém, essas direções fatalmente desembocarão em algumas fundamentais questões: Você aprendeu a reconhecer um sentimento quando ele surge? E se reconhece, você sabe lidar com ele? E se sabe lidar , você foi amparado com os afetos essenciais que te sustentaram o suficiente para vivenciar uma perda,por menor que seja? Ir embora, deixar o "objeto mal" e, odiá-lo por ter te pesado é um processo que reproduzem afetos antigos como culpa , angústia e ansiedade diante da perda necessário para o amadurecimento. Mas se no desenvolvimento psíquico você não teve suporte para partir, então você estará ancorado nesse refúgio psíquico como alguém parado numa estação esperando o mesmo trem voltar.Mas o trem nunca volta o mesmo, mesmo que seja o mesmo trem. E a estação também já não é a mais a mesma ainda que você fique parado lá por toda a sua vida. O rio corre e nunca é o mesmo, e a mudança é uma das únicas certezas que temos na vida. Por isso, é necessário ter sempre em mente que toda crise tem em si mesmo a semente de sua solução. Quando uma crise se instala podemos ter duas atitudes: Crescer ou estagnar. Se escolhermos a primeira opção veremos velhas estruturas de pensamento serem demolidas.Tudo que não nos serve mais, tudo que esta em excesso impedindo nosso crescimento será desestruturado para dar lugar ao novo. Virá a desorganização sim, mas para depois chegar o novo solo, o novo espaço apropriado para novas construções criativas. E, então estaremos prontos , pois a expansão de pensamento promove abertura de visão de mundo, faz-nos resignificar nossos conceitos trazendo uma nova mentalidade que servirá de base para novas atitudes nos dando suporte para um recomeço.
Mas você pode estar se perguntando: tudo isso é muito bonito, mas como colocar isso em prática? Realmente passar por este processo é bem complicado e exige muita disposição e energia.Mas além de energia e disposição, é necessário a relação com a verdade do outro para que o pensamento aconteça, as ilusões se desfaçam, e a pessoa consiga reorganizar seus conteúdos de forma legítima, sem base em ilusões ou fantasia. Uma pessoa sozinha dificilmente conseguirá alcançar este estágio de maturidade emocional, pois quando nos dispomos a pensar é necessário que haja duas pessoas refletindo, do contrário acabamos nos perdendo em nossas ilusões,fantasias e imaginações.Veja o que Renato Dias Martino nos explica sobre isso 
"O grande prejuízo da razão é que quanto mais enriquecidos de saberes inquestionáveis ,tanto mais empobrecidos das faculdades de pensar,nos tornamos (...) O pensamento é por assim dizer, a capacitação do ‘eu’ (compreendendo o mundo interno) na ligação afetiva com o mundo (externo). O exercício do pensar só se efetiva na experiência, como já se tomou por entendido. Experiência que compreende a ação junto do outro. Depende-se do outro para se pensar Quando não se inclui o outro, o movimento mental não pode levar o nome de pensar, pois ainda conserva características imaginarias.Ainda se encontra como ilusão que só será quebrada na introdução da verdade externa.Dessa forma, sou forçado a depositar meu descrédito em qualquer tentativa de batizar como pensamento, experiências que não compreendam o outro, ou o encontro com a verdade do outro(...) te desejo a verdade. ... A verdade que nos faz eternos pesquisadores do mundo e da vida. A verdade que não sossega.A que nos acorda de manhã cobrando um tipo de resposta que , talvez, não servirá mais depois de amanhã.A verdade que nos vira a cara a cada encontro.Aquela pela qual só podemos nos ver orientados,mas nunca possuídos "Renato Dias Martino [1]
E essa verdade só me chega se eu for continente para o outro, se estiver disposta a receber a verdade do outro para que seja material de enfrentamento e reflexão para mim.A necessidade da intervenção do outro acontece porque grande parte daquilo que falamos e escutamos passa por nosso inconsciente, e o inconsciente é responsável por construções psíquicas que dão ao seu criador a capacidade de gerar , organizar formas pensamento que interferem diretamente na forma de intervir no mundo. E isso acontece como uma espécie de respostas à partir de demandas e inquietações inconsciente, angústias e medos. Por isso é tão difícil desorganizar nossas bagunças, refazer nossos caminhos já tanto tempo estabelecido. É extremamente complexo repensar alguma ação, reconstruir uma história.E, pior do que estar disposto a vivenciar este processo, o mais difícil ainda é chegar a uma tomada de consciência que nos alavanque para uma atitude de transformação autêntica.Se não houver uma interferência do outro, raramente uma pessoa se da conta de que "suas verdade" necessitam ser revistas. Veja o Mito da Caverna de Platão 
"Platão viu a maioria da humanidade condenada a uma infeliz condição. Imaginou (no Livro VII de A República, um diálogo escrito entre 380-370 a.C.) todos presos desde a infância no fundo de uma caverna, imobilizados, obrigados pelas correntes que os atavam a olharem sempre a parede em frente.O que veriam então? Supondo a seguir que existissem algumas pessoas, uns prisioneiros, carregando para lá para cá, sobre suas cabeças, estatuetas de homens, de animais, vasos, bacias e outros vasilhames, por detrás do muro onde os demais estavam encadeados, havendo ainda uma escassa iluminação vindo do fundo do subterrâneo, disse que os habitantes daquele triste lugar só poderiam enxergar o bruxuleio das sombras daqueles objetos, surgindo e se desafazendo diante deles.Era assim que viviam os homens, concluiu ele.Acreditavam que as imagens fantasmagóricas que apareciam aos seus olhos (que Platão chama de ídolos) eram verdadeiras, tomando o espectro pela realidade. A sua existência era pois inteiramente dominada pela ignorância (agnóia). Mas, se por um acaso, segue Platão na sua narrativa, alguém resolvesse libertar um daqueles pobres diabos da sua pesarosa ignorância e o levasse ainda que arrastado para longe daquela caverna, o que poderia então suceder-lhe? Num primeiro momento, chegando do lado de fora, ele nada enxergaria, ofuscado pela extrema luminosidade do exuberante Hélio, o Sol, que tudo pode, que tudo provê e vê.Mas, depois, aclimatado, ele iria desvendando aos poucos, como se fosse alguém que lentamente recuperasse a visão, as manchas, as imagens, e, finalmente, uma infinidade outra de objetos maravilhosos que o cercavam. Assim, ainda estupefato, ele se depararia com a existência de um outro mundo, totalmente oposto ao do subterrâneo em que fora criado.O universo da ciência (gnose) e o do conhecimento (espiteme), por inteiro, se escancarava perante ele, podendo então vislumbrar e embevecer-se com o mundo das formas perfeitas."[4]
Nesse Mito da Caverna - Platão deseja mostrar que sempre é doloroso se chegar ao (auto)conhecimento,pois esse processo exige sair do "Status Quo" , do lugar de conforto para romper com tudo que é corrente existencial e inercia da ignorância .Mas se alguém se dispões a pagar este preço o resultado será o prazer da descoberta de tudo que poderá tornar essa pessoa realizada e capacitada a ser aquilo que ela foi constituída para ser.No início o indivíduo pode se deparar ainda com imagens distorcidas.A fase de adaptação pode ser longa e confusa. Atingir as profundezas de suas sombras é uma virtude que se adquire com precisão, persistência, coragem e humildade. Todos que passam por este processo aprendem a conviver como seus "nada, seus vazios e com a falta de explicação, pois entende que nem tudo pode ser explicado,pelo menos, naquela hora.Na verdade, o auto(conhecimento) é uma busca pela vida inteira. É uma Ode existencial à contemplação do Desconhecido tão temido e desejado ao mesmo tempo.É ir além do estabelecido e ultrapassar limites pessoais e sociais se arriscando a rupturas que levará o indivíduo a vivenciar o bem (agathón) , o belo (tokalón) , a verdade e a justiça (dikaiosyne). Sair dessa inconsistência e mergulhar na consciência de si mesmo e do outro , faz a pessoa adquirir novos modos de se apropriarmos de uma forma de vida estéril e alcançar um saber maior .
Para concluir,enfim, meu raciocínio devo admitir que a fantasia, as máscaras e as roupas em excesso podem ser bastante necessárias no carnaval, nas festas de fantasias ou até mesmo num período de adaptação a uma nova situação , pois nos caracterizamos com traços que sustentam e nos defendem de possíveis investidas inapropriadas e fora do tempo . Mas se esconder sempre diante de ameças apenas revela que o indivíduo esta impossibilitado de assumir responsabilidades, de engajar-se numa transformação legítima e não pode,portanto, se adaptar; o que poderá levar esse indivíduo a viver muito abaixo de seu potencial e, em casos extremos, até adquirir hábitos sintomáticos e formas patológicas de viver no mundo. 


Referencias:
[1]Renato Dias Martino,In :
[2] Whitmont,Edward C. p.140).( BOLETIM CLÍNICO - número 20- julho/2005 - PUC-SP)
[3]Isabelle Fernandes Vieira de Matos Rocha - Acadêmica do 6º período do curso de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, campus Betim.
[4]http://educaterra.terra.com.br/voltaire/cultura/2006/05/17/000.htm
[5] Antonio Quinet,In: (Psicose e laço social, p. 37)http://academiafreudiana.wordpress.com/author/academiafreudiana/

Terra de Morte ("Deadland"). de Paulo Paulaskas

Por Rosangela Brunet "Muitos  tem em suas almas "Terras mortas" ,secas,infrutíferas por não serem habitadas. . Ess...