quarta-feira, 14 de novembro de 2018

O inesperado me captura no acontecimento.






Por Rosangela Brunet

Na escrita vazia  e frases sem sentido se esconde o mistério da vida.
Ainda que a folha em branco nos cegue a luz do sol revela a inspiração de um coração contido
O muro que separava a dor da alegria se desfaz deslizando perfumes que a alma insistia em esconder
Obra de Alan Hurley  
O tempo urge,agora,a desvendar o lugar do descanso.
O nada se apresenta diante da escolha de um Ser que transmuta o horizonte da existência.
O inesperado me captura no acontecimento.
A surpresa ante o desconhecido me apavora.
E eu escrevo porque isso me salva quando o vazio me assalta.
O que se vê se esconde no céu nublado de minhas esperanças.
Nas folhas brancas temidas reluz o espectro da forca que foi enterrada por textos mal entendidos.
Que palavra é essa que não possui a forma que  conheço?
Que significado meu olhar desperta quando não entendo o que sinto ,mas    
um verso novo se apresenta?



As palavras choviam
versos que deslizavam em meu ser
O frio corria nas veias enquanto as dúvidas gotejavam poesias 
Desconfiava das promessas de futuros incertos
Enquanto o céu prometia cumprir sua lei
Os sonhos invadiam meu sangue
Os ventos penetravam regiões que, antes ,abrigavam meu conforto
Meus olhos anunciavam novidades brilhantes
Suaves lembranças derretiam os ânimos mais congelados 
Despertavam os sorriso    adormecidos na noite de dor

Desconcertada , procurava disfarçar uma alegria boba que renascia de universos escuros que ,nesse instante eram invadidos pela mania de viver...
 

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

O Corpo Fala. A dor da alma e o adoecimento do corpo


Por Rosangela Brunet

"Ser ás vezes sangra"Clarice Lispector  


O corpo fala . E quando estamos doentes é preciso ouvir sua voz. As células encharcadas de ácidos e substâncias tóxicas transmitem a urgente mensagem: socorro, preciso de ajuda.O organismo, neste momento, se prepara para se defender o quanto pode. Como saber o quão grave será a lesão diante de uma realidade dolorosa e difícil de suportar?

A pressão do ambiente, a resiliência, a história de vida, os mecanismos adaptativos de cada um podem ser fatores determinante nesta hora.




Fotografia de Mykukula
A diabetes, um caso clássico de consumo excessivo de açúcar, sedentarismo e obesidade.Mas porque, ou o que faz uma pessoa se tornar sedentária, ou extravasa no açúcar, e consequentemente e se tornar obesa? As palavras chaves são: dores e sofrimentos. Leia o texto de Valcapelli e Gasparetto sobre Obesidade 
"No âmbito metafísico, o aumento de peso está relacionado com a fragilidade interior, que se compara a uma imaturidade emocional. A pessoa sente-se despreparada para lidar com algumas situações, geralmente na relação familiar ou afetiva, mas pode ser também de ordem profissional ou social. Assustada com o desenrolar dos fatos, sente-se desamparada e em vez de enfrentar as dificuldades do ambiente, recorre aos subterfúgios para atenuar suas frustrações.Um dos mecanismos de fuga mais frequentes é a alimentação. A pessoa precisa estar sempre mastigando alguma coisa para atenuar o ócio ou extravasar a indignação, pois. o prazer do alimento compensa o desconforto da realidade, preenchendo o vazio interior.A compulsão pela comida é uma queixa frequente nos casos de excesso de peso, não consegue comer moderadamente, respeitando os limites alimentares e a comida passa a ser uma obsessão difícil de ser controlada.Outra forma de compensar é por meio das faculdades mentais:

- Os obesos são dotados de uma imaginação fértil. Avaliam as situações com muita meticulosidade.

- Destacam-se pela extraordinária criatividade, tornam-se excelentes estrategistas. - As pessoas que sofrem com o aumento de peso são entusiastas, vivem repletas de expectativas, muitas delas infundadas, criando um universo de sonhos. - Geralmente se distanciam da realidade, mergulhando em suas fantasias.

- Preocupam-se demasiadamente com o andamento de tudo, mas não se dedicam objetivamente na efetivação daquilo que é prioritário. - Projetam muito mais do que são capazes de realizar. - Estão sempre insatisfeitos com os resultados obtidos nas situações ao redor, tanto pela sua própria ineficiência quanto pelas expectativas projetadas sobre os outros.

- Amargam fracassos familiares ou profissionais, frustrando sua vontade de interagir com o meio.

No âmbito afetivo, apresentam alguns pontos em comum:

- Tem dificuldade para expressar aquilo que sentem, temem entregar-se ao relacionamento e sofrer decepções, como provavelmente já deve ter ocorrido no passado. - Mostram-se afetuosas com os outros, mas em seu íntimo repousa uma grande carência, que se intensifica por não saberem lidar direito com os próprios sentimentos.

- O temor de serem abandonadas por quem as ama faz com que desenvolvam apego excessivo, manifestando-se em forma de cobrança.

- Exigem constantes explicações, ocasionando um distanciamento cada vez maior entre o casal ou em relação aos entes queridos."


Todo indivíduo tem um limite para suportar a dor. Cada um lida com o sofrimento de formas diferentes a situações diferentes.
Atire a primeira pedra, aquele que suportaria, por muito tempo, uma pressão enorme sobre seus ombros. Assim, acontece também com pessoas que sofrem dores emocionais. A hipertensão é outro exemplo deste sobrepeso emocional. Uma defesa justa para quem não tem mais nenhum refúgio ou ninguém como apoio ;e nao sabe como suportar tanto estresse. Pressões externas, sofrimentos que fogem ao controle, dores emocionais insuportáveis."Haja hoje para tanto ontem", ja dizia Leminsk.

Imagine um indivíduo infartando.O auge da falta, a oxigenação que não pode conter tanta acidez do mundo . E após tantas perdas, a lesão que dilacera a alma diminuindo a irrigação das emoções. Uma isquemia de amor .A artéria esperou e o sangue não veio ,então rapidamente se dá o "enfarte" - a morte da esperança dizendo para as células: é hora de desaparecer. Necrosada vida. Todos os orgãos começam a falir rodeados de raiva, ressentimento, soldão, desesperança e desespero.Um fluxo arterial ininterrupto e incontrolável avisando o miocárdio : o músculo cardíaco não suporta mais.Por exemplo, segundo Carol Iara:


"Problemas crônicos nos pulmões podem se desenvolver a partir de contenções emocionais, falta de iniciativa verbal e passividade – que, por consequência, desenvolvem raiva, bronca, timidez e angústia.O guaco está contraindicado para indivíduos com doenças no fígado, indivíduos que utilizam anticoagulantes, para crianças menores de 1 ano de idade e grávidas."

E a oclusão intestinal que clama por liberdade. Mas as aderências provocam uma torsão intestinal , ele quer soltar as emoções, quer liberar tudo que esta retido ,mas a dor não deixa. O corpo esta comprometido com a circulação ácida de orgulho , das defesas,das proteções , retenções e desequilíbrios........

Repetindo um.....Uma isquemia de amor .A artéria esperou,mas o sangue não veio; então, rapidamente, se dá o "enfarte" - a morte da esperança dizendo para as células: é hora de desaparecer. Necrose da vida. Todos os orgãos começam a falir rodeados de raiva, ressentimento, soldão, desesperança e desespero.Um fluxo arterial ininterrupto e incontrolável avisando o miocárdio : o músculo cardíaco não suporta mais. Agora o sangue não circula mais como antes, pois a estrada se tornou difícil demais. As coronárias estão em alerta!! Os músculo deixam de funcionar como antes , pois a dor e o medo impedem os movimentos .O caso,agora,se agrava e o cérebro entra em prontidão. Dores,sintomas, problemas;sinal que é hora de parar e olhar para dentro de si mesmo, se respeitar , ser gentil consigo mesmo, e ouvir o que o coração quer FAL(H)AR.

Rosangela Brunet
Psicóloga Clínica
Tel: (21)30767009 e (21) 980325009

Referência


Arte & Psicologia: A dor da alma e o adoecimento do corpo:

[1] Livro A Metafísica da Saúde - Volume 3 - Valcapelli e Gasparetto) editado em tópicos para fins didáticos pela moderação da página.,In:https://www.facebook.com/psicossomaticabr/






























:



domingo, 4 de novembro de 2018

Conto de Annabelle

Sobre Depressão

Todos os dias ela tentava superar aquela nuvem negra que atravessava sua alma.
Ela não sabia pular daquela Ponte que a levava ao futuro. Tudo que Anabelle conhecia era dor e angústia. 
Ela usava todos os dias seu trampolim de emoções e caía no vão de seu próprio inferno. Ela só se sentia viva em seu tobogã de.....
Seus olhos,  longes de si mesmo, gritavam por alguma migalha de paz. Mas o mundo sempre parecia lhe dizer :não 
Em cada esquina buscava um amor. Talvez esbarrasse em si mesmo no espelho. Talvez tropeçasse em seus pedaços perdidos.
Mas no fundo sempre sussurrava para ela quando a dor aumentava : fuja . Não ha saída. 
Mas ela havia lido que nunca se sabe em que beco da vida o mundo seria gentil e colocaria seu bálsamo para curar aquele pássaro ferido que habitava nela.
Nunca se sabe em que chão de verdade alguém a encontraria para a libertar aquela alma perdida.
Obra de Harding Meyer
Ela pensava: - Há rumores de que alguém chegaria com sua espada e traria justiça para seu coração quebrado.
Um mito de outro mundo que viria com seu cetro e restauraria seus sonhos
Mas no meio da noite Anabelle acordava ,corria para sua janela,olhava angustiada o trajeto escuro de sua rua, e tudo que via era chuva caindo no frio intenso do corredor de seu ser.
Tudo que conseguia tocá-la era o ríspido e duro inverno de alguém que morreu de tanto  esperar.
Era Ana que esperava ser bela. Era uma ilusão que cortava seus pulsos.
Era um espanto que não achava descanso. Era uma estrada sem Luz,um chão sem raiz,uma Primavera que não chegou.




Referência do artista Harding Meyer: . Detail of (35-2105)-120x150cm oil on canvas .




which you can see at Archaeology of the Face. Oct 01 - Oct 24, 2015.Odon Wagner Gallery, Torontohttp://www.odonwagnergallery.com/toronto_art_exhibitions/exhibition_details.php?eID=147

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

O Início de uma Novo ciclo



Ainda que a dor e a frustração nos visite,mesmo que a dúvida nos assole e o futuro seja escuro não há mais como viver no passado
Se não ousarmos partir, ficaremos partidos em nós que nos desviam de tudo que o presente nos traz.
Fim de um amor
Fim de um mandato
Harding Meyer
Fim de um ciclo
Fim de tudo que não cabe mais em nós 
Tudo que nasce é mistério
Surge de um incômodo ferido,de um lamento esquecido, de uma esperança de certezas confundidas, das razões persistem no passado.
Só o recomeço pode nos salvar do medo, da dor e do desconforto
O novo sempre vem mesmo que todos não percebam

terça-feira, 19 de junho de 2018

Transtorno de Personalidade Dependente F60.7 - 301.6

Fonte: Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V)

Características Diagnósticas

A característica essencial do Transtorno da Personalidade Dependente é uma necessidade invasiva e excessiva de ser cuidado, que leva a um comportamento submisso e aderente e ao medo da separação. Este padrão começa no início da idade adulta e está presente em uma variedade de contextos. Os comportamentos dependentes e submissos visam a obter atenção e cuidados e surgem de uma percepção de si mesmo como incapaz de funcionar adequadamente sem o auxílio de outras pessoas. Os indivíduos com Transtorno da Personalidade Dependente têm grande dificuldade em tomar decisões corriqueiras (por ex., que cor de camisa usar para ir ao trabalho ou se devem levar o guarda-chuva) sem uma quantidade excessiva de conselhos e reasseguramento da parte dos outros (Critério 1). Esses indivíduos tendem a ser passivos e a permitir que outras pessoas (freqüentemente uma única pessoa) tomem iniciativas e assumam a responsabilidade pela maioria das áreas importantes de suas vidas (Critério 2). Os adultos com este transtorno tipicamente dependem de um dos pais ou do cônjuge para decidir onde devem viver, que tipo de trabalho devem ter e com que vizinhos devem fazer amizade. Os adolescentes com o transtorno podem permitir que seus pais decidam o que devem vestir, com quem devem sair, como devem passar seu tempo livre e que faculdade devem cursar. Esta necessidade de que os outros assumam a responsabilidade extrapola os pedidos de auxílio adequados à idade e à situação (por ex., as necessidades específicas de crianças, pessoas idosas e pessoas deficientes).

La implorante
Obra de Camille Claudel

 O Transtorno da Personalidade Dependente pode ocorrer em um indivíduo que possui uma séria condição médica geral ou deficiência, mas nestes casos a dificuldade em assumir responsabilidades deve ir além daquela que normalmente estaria associada a esta condição ou deficiência. Como temem perder o apoio ou aprovação, os indivíduos com Transtorno da Personalidade Dependente muitas vezes têm dificuldade em expressar discordância de outras pessoas, especialmente aquelas das quais dependem (Critério 3). Esses indivíduos sentem-se tão incapazes de funcionar sozinhos que preferem concordar com coisas que consideram erradas, a se arriscarem à perda da ajuda daqueles em quem buscam orientação. Eles não ficam zangados quando seria adequado com as pessoas cujo apoio e atenção necessitam, por medo de afastá-las. Se as preocupações do indivíduo relativas às conseqüências de expressar discordância são realistas (por ex., temores realistas de retribuição de um cônjuge abusivo), o comportamento não deve ser considerado uma evidência de Transtorno da Personalidade Dependente. Os indivíduos com este transtorno têm dificuldade em iniciar projetos ou fazer coisas de maneira independente (Critério 4). Eles carecem de autoconfiança e acreditam que precisam de auxílio para iniciar e realizar suas tarefas. Eles esperam que os outros "dêem a partida", por acreditarem que, via de regra, os outros sabem fazer melhor. [628]Estes indivíduos têm a convicção de serem incapazes de funcionar de modo independente e se apresentam como ineptos e carentes de constante auxílio. Entretanto, tendem a funcionar adequadamente quando recebem a garantia de que receberão supervisão e aprovação de outra pessoa. Eles podem ter medo de parecer ou de tornar-se mais competentes, por acreditar que isto levará ao abandono. Uma vez que confiam nos outros para a solução de seus problemas, freqüentemente não aprendem as habilidades de uma vida independente, desta forma perpetuando a dependência. Os indivíduos com Transtorno da Personalidade Dependente podem ir a extremos para obterem carinho e apoio, chegando ao ponto de se oferecerem para realizar tarefas desagradáveis, se este comportamento for capaz de trazer-lhes os cuidados de que necessitam (Critério 5). Eles dispõem-se a fazer as vontades dos outros, mesmo que as exigências sejam irracionais. 


Camille Claudel, L’Âge mur, 1898-1913


Sua necessidade de manter um vínculo emocional importante freqüentemente resulta em relacionamentos desequilibrados ou distorcidos. Eles podem fazer sacrifícios extraordinários ou tolerar abuso verbal, físico ou sexual (cabe notar que este comportamento deve ser considerado evidência de Transtorno da Personalidade Dependente apenas quando for claramente estabelecido que o indivíduo não dispõem de outras opções). Os indivíduos com este transtorno sentem desconforto ou desamparo quando estão sozinhos, pelo medo exagerado de serem incapazes de cuidar de si próprios (Critério 6). Eles podem "ficar colados" em outras pessoas importantes em suas vidas apenas para não ficar sozinhos, mesmo que não tenham interesse ou envolvimento no que está acontecendo. Quando um relacionamento significativo termina (por ex., rompimento de um namoro; morte de um dos pais), os indivíduos com Transtorno da Personalidade Dependente podem sair urgentemente em busca de outro relacionamento que ofereça os cuidados e o apoio de que necessitam (Critério 7). A crença em sua incapacidade de funcionar na ausência de um relacionamento íntimo motiva estes indivíduos a se envolverem rápida e indiscriminadamente com outra pessoa. Os indivíduos com este transtorno em geral se preocupam com temores de que serão abandonados à própria sorte (Critério 8). Eles se vêem como tão dependentes dos conselhos e ajuda de outra pessoa, que se preocupam com um abandono da parte desta, mesmo quando não há justificativa para esses temores. Para serem considerados evidências deste critério, os temores devem ser excessivos e irrealistas. Por exemplo, um homem idoso com câncer que se muda para a casa de um filho para obter auxílio apresenta um comportamento dependente adequado, dadas as suas circunstâncias de vida.


Características e Transtornos Associados

Os indivíduos com Transtorno da Personalidade Dependente muitas vezes se caracterizam por pessimismo e insegurança, tendem a menosprezar suas capacidades e realizações e podem constantemente referir a si mesmos como "tolos". Eles tomam críticas e reprimendas como provas de sua inutilidade e perdem a autoconfiança. Eles podem procurar ser superprotegidos e dominados pelos outros. O funcionamento ocupacional pode ficar comprometido se exigir a iniciativa independente. Eles podem evitar posições de responsabilidade e ficar ansiosos quando existe a necessidade inadiável de tomar uma decisão. As relações sociais tendem a se limitar àquelas poucas pessoas das quais o indivíduo é dependente. Pode haver um maior risco de Transtornos do Humor, Transtornos de Ansiedade e Transtorno de Ajustamento. O Transtorno da Personalidade Dependente muitas vezes co-ocorre com outros Transtornos da Personalidade, especialmente Transtornos da Personalidade Borderline, Esquiva e Histriônica. Uma doença física crônica ou um Transtorno de Ansiedade de Separação na infância ou adolescência podem predispor o indivíduo ao desenvolvimento deste transtorno.




Características Específicas à Cultura, à Idade e ao Gênero

O grau em que os comportamentos dependentes são considerados adequados varia substancialmente entre os diferentes grupos etários e sócio-culturais. Fatores etários e culturais precisam ser considerados na avaliação do limiar diagnóstico. O comportamento dependente deve ser considerado característico do transtorno apenas quando nitidamente excede as normas culturais do indivíduo ou reflete preocupações irrealistas. Uma ênfase na passividade, delicadeza e tratamento respeitoso é característica de algumas sociedades e pode ser interpretada erroneamente como traços de Transtorno da Personalidade Dependente. Da mesma forma, as sociedades podem apoiar e desencorajar de modo diferenciado o comportamento dependente em homens e mulheres. Este diagnóstico deve ser usado com grande cautela, se é que se aplica, em crianças e adolescentes, para os quais um comportamento dependente pode ser adequado em termos evolutivos. Em contextos clínicos, este transtorno é diagnosticado com maior freqüência em mulheres; entretanto, a taxa deste transtorno entre os sexos não difere significativamente da proporção geral do sexo feminino dentro do respectivo contexto clínico. Além disso, alguns estudos usando avaliações estruturadas relatam taxas similares de prevalência entre homens e mulheres.


Prevalência

O Transtorno da Personalidade Dependente está entre os Transtornos da Personalidade mais freqüentemente relatados em clínicas de saúde mental.


Diagnóstico Diferencial

O Transtorno da Personalidade Dependente deve ser diferenciado da dependência que surge como conseqüência de transtornos do Eixo I (por ex., Transtornos do Humor, Transtorno de Pânico e Agorafobia) e em decorrência de condições médicas gerais. O Transtorno da Personalidade Dependente tem um início precoce, um curso crônico e um padrão de comportamento que não ocorre exclusivamente durante um transtorno do Eixo I ou do Eixo III. Outros Transtornos da Personalidade podem ser confundidos com o Transtorno da Personalidade Dependente por terem certos aspectos em comum, de modo que é importante distinguir esses transtornos com base nas diferenças em seus aspectos característicos. Entretanto, se um indivíduo apresenta características de personalidade que satisfazem os critérios para um ou mais Transtornos da Personalidade além do Transtorno da Personalidade Dependente, todos podem ser diagnosticados. Embora muitos Transtornos da Personalidade se caracterizem por aspectos de dependência, o Transtorno da Personalidade Dependente pode ser diferenciado por seu comportamento predominantemente submisso, reativo e aderente. Tanto o Transtorno da Personalidade Dependente quanto o Transtorno da Personalidade Borderline caracterizam-se pelo medo do abandono; entretanto, o indivíduo com Transtorno da Personalidade Borderline reage ao abandono com sentimentos de vazio emocional, raiva e exigências, ao passo que o indivíduo com Transtorno da Personalidade Dependente reage com crescente humildade e submissão e busca urgentemente um relacionamento substituto, que lhe ofereça atenção e apoio. O Transtorno da Personalidade Borderline pode ainda ser distinguido do Transtorno da Personalidade Dependente por um padrão típico de relacionamentos instáveis e intensos. Os indivíduos com Transtorno da Personalidade Histriônica, como no Transtorno da Personalidade Dependente, têm uma forte necessidade de reasseguramento e aprovação, podendo parecer infantis e demasiadamente apegados. Entretanto, à diferença do Transtorno da Personalidade Dependente, que se caracteriza por uma auto-anulação e comportamento dócil, o Transtorno da Personalidade Histriônica caracteriza-se por uma exuberância gregária, com exigência ativa de atenção. Tanto o Transtorno da Personalidade Dependente quanto o Transtorno da Personalidade Esquiva caracterizam-se por sentimentos de inadequação, hipersensibilidade a críticas e necessidade de reasseguramento; contudo, os indivíduos com Transtorno da Personalidade Esquiva têm um medo tão grande da humilhação e rejeição, que se retraem até terem certeza de que serão aceitos. Em contrapardida, os indivíduos com Transtorno da Personalidade Dependente têm um padrão de busca e manutenção de conexões com outras pessoas que lhes são importantes, ao invés de evitarem e se absterem de relacionamentos. O Transtorno da Personalidade Dependente deve ser diferenciado de uma Alteração da Personalidade Devido a uma Condição Médica Geral, na qual os traços emergem devido aos efeitos diretos de uma condição médica geral sobre o sistema nervoso central. Ele também deve ser diferenciado de sintomas que podem desenvolver-se em associação com o uso crônico de substâncias (por ex., Transtorno Relacionado à Cocaína Sem Outra Especificação). Muitos indivíduos exibem traços de personalidade dependente, mas estes traços apenas constituem um Transtorno da Personalidade Dependente quando são inflexíveis, mal-adaptativos e persistentes e causam prejuízo funcional significativo ou sofrimento subjetivo.

Veja um exemplo na prática quando a dependência emocional se manifesta


"Simplesmente aconteceu
Não tem mais você e eu
No jardim dos sonhos
No primeiro raio de luar
Simplesmente amanheceu
Tudo volta a ser só eu
Nos espelhos
Nas paredes de qualquer lugar
Não tem segredo
Não tenha medo de querer voltar
A culpa é minha
Eu tenho o vício de me machucar
De me machucar
Lentamente aconteceu
Seu olhar largou do meu
Sem destino
Sem caminho certo pra voltar
Não tem segredo
Não tenha medo de querer voltar
A culpa é minha
Eu tenho o vício de me machucar
De me machucar
Ninguém ama porque quer"

Simplesmente aconteceu
Ana Carolina 


 

Critérios Diagnósticos para F60.7 - 301.6 Transtorno da Personalidade Dependente 



Uma necessidade invasiva e excessiva de ser cuidado, que leva a um comportamento submisso e aderente e a temores de separação, que começa no início da idade adulta e está presente em uma variedade de contextos, indicado por pelo menos cinco dos seguintes critérios:
(1) dificuldade em tomar decisões do dia-a-dia sem uma quantidade excessiva de conselhos e reasseguramento da parte de outras pessoas
(2) necessidade de que os outros assumam a responsabilidade pelas principais áreas de sua vida
(3) dificuldade em expressar discordância de outros, pelo medo de perder o apoio ou aprovação. Nota: Não incluir temores realistas de retaliação
(4) dificuldade em iniciar projetos ou fazer coisas por conta própria (em vista de uma falta de autoconfiança em seu julgamento ou capacidades, não por falta de motivação ou energia)
(5) vai a extremos para obter carinho e apoio de outros, a ponto de voluntariar-se para fazer coisas desagradáveis
(6) sente desconforto ou desamparo quando só, em razão de temores exagerados de ser incapaz de cuidar de si próprio
(7) busca urgentemente um novo relacionamento como fonte de carinho e amparo, quando um relacionamento íntimo é rompido
(8) preocupação irrealista com temores de ser abandonado à sua própria sorte. 



Fonte: 
Texto :  https://blogs.sapo.pt/cloud/file/b37dfc58aad8cd477904b9bb2ba8a75b/obaudoeducador/2015/DSM%20V.pdf

Obras : https://awarewomenartists.com/en/artiste/camille-claudel/



terça-feira, 12 de junho de 2018

Chiara Fersini



"Chiara Fersini (n. 1986) formou-se em línguas estrangeiras, inglês e japonês. Desde criança era cercada de arte. Sua mãe, pintora e decoradora, transmitiu a ela o amor pela beleza e incentivou sua inclinação pelas artes visuais. Seu interesse pela fotografia é muito recente; começou depois de uma jornada de estudo no Japão em 2007 e cresceu cada vez mais rápido coincidindo com a paixão pelo Photoshop. Mas a fotografia não é apenas uma paixão por Chiara, é a melhor maneira de mostrar o mundo intrincado que ela sente por dentro. Ela coloca em seus trabalhos seus medos, sonhos, sua tristeza e alegria e vê-los acontecendo em imagens é uma maneira de se sentir livre" Lindsay Lohan (1)

Chiara Fersini


.“Meu objetivo é retratar cada simples olhar da alma humana e incentivar as pessoas a sonhar e nunca deixar de acreditar em sonhos. - Chiara Fersini
Chiara Fersini


 (1) http://ifitshipitshere1.blogspot.com/2013/06/the-beautifully-ethereal-surreal-work.html



sábado, 9 de junho de 2018

Pais Tatuados também cuidam bem de seus filhos

POR TULIPABABY


Para quebrar o Tabu o blog faz uma Amostra Fotográfica de pais e mães tatuados cuidando seus filhos. Nas fotos o artista consegue capturar a beleza, a ternura, e aquele olhar e amor que só tem filhos entendem e sabem interpretar























Conheça o Tattooed Parents, que tem fanpage – aqui, e tumblr – aqui, e veja fotos incríveis de pais com seus bebês!

FONTE E IDEALIZAÇÃO

TulipaBaby Quarto de Bebê.



sexta-feira, 1 de junho de 2018

Um Pouco de mim

Por Rosangela Brunet

Em minha experiência venho aprendendo a me distanciar do ego e de me identificar com tudo que é forma no mundo. Há um Ser em mim que observa no Aqui e Agora,onde tudo existe. Aqui e Agora eu existo. Nessa Presença Eu sou.
Meu signo é libra com ascendente no céu......Sou esse intervalo de desejos se desviando entre as lacunas do outro que insiste em me idealizar.Não sou isso que queres ver.

Silencio tudo que me fazem desejar. Fico,então,com o esse sossego em mim.Meu céu.Um universo infinito.— viajando para para dentro de mim...

Meu elemento é terra , com cheiro de doce e colorido de framboesas frescas. Minha alma é antiga e tem sua nascente no céu. Escolho a paz pra viver e o amor para me transformar.Sou inclinada a solidão.Ela é minha fonte de imaginação e energia .Sou sinestésica e abraçar é minha forma de me ligar ao mundo.Apesar de minha objetividade estar me guiando, meu mundo subjetivo é que me faz ter sucesso. Deixei meus pensamentos ali....fui embora deixei que partissem ,e enfim encontrei-me no meio de mim, em paz , trazendo comigo tudo aquilo que nunca conheci.Estou inteira ,sobrevivi. Larguei meus pensamentos ali e corri ao meu encontro. Centrada. Cheguei lá, onde só existia amor..Ali minha existência se verbaliza e se transforma .Me torno, então quem eu realmente sou.Com coragem e um brilho nos olhos vou abrindo lentamente o presente, sem pressa de chegar no futuro, sem lágrimas deixadas no passado.
Previsão do Tempo:ele não existe para mim .Só o Aqui e Agora me inicia.Mesmo com as cinzas vulcânicas do passado e os montes do futuro em erupção. O Aqui e Agora é onde minha vida acontece com toda intensidade de um vulcão.
Só o presente me desvenda seus segredos , e os ventos chegam pra chover cura e trovejar transformação.

A temperatura no coração nunca cai
E nenhuma chama nos devora tão rapidamente quanto os afetos do ressentimento. O aborrecimento, a suscetibilidade doentia, a impotência de vingança, o desejo, a sede de vingança, o revolver venenos em todo sentido – para os exaustos é esta certamente a forma mais nociva de reação: produz um rápido consumo de energia nervosa, um aumento doentio de secreções prejudiciais, de bílis no estômago, por exemplo. O ressentimento é o proibido em si para o doente. (...) O ressentimento, nascido da fraqueza, não é prejudicial a ninguém mais que ao próprio fraco."
_____ Friedrich Nietzsche.

A vida é curta demais para viver desperdiçando o tempo com aquilo que nos traz negatividade e nos faz carregar o mundo na costas.Por isso, não tenho mais paciência para o cinismo, críticas e exigências em excesso. Depois dos quarenta ficamos mais exigentes e nossa percepção do mundo se transforma .Deixamos a arrogância de lado e de decidimos descer do palco e viver de verdade . Nossos passos agora passam longe de qualquer pretensiosismo, hipocrisia e desonestidade .Agora é tolerância zero com eruditismo seletivo e altivez acadêmica. A gente percebe que agradar a quem não se agrada da gente é energia desperdiçada, e amar quem não nos ama é cristianismos mal interpretado. Agora meu sorriso se abre para tudo que alegra meu dia e se distancia de quem quer roubar minha alegria..Já não dedico mais meu tempo com pessoas mentirosas e manipuladoras ..Pessoas com visão estreita do mundo e que menospreza tudo aquilo que é diferente me deixa cansada; Tento me afastar de quem gosta de espalhar notícia sem fundamento, boatos maldosos e se alimenta de intrigas , fofoca e mexerico.Conflitos e comparações para mim é um veneno a que não me exponho mais .Acredito que criamos um mundo de paz e mais feliz se aceitamos os opostos. E pessoas que acharam a verdade não cabem mais nele.

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Olhar....


Por Rosangela 
Sua visão se tornará clara somente quando você olhar para dentro do seu coração. Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, acorda.Carl Jung
Guardiões de Atinis



"Quando olhar para trás na sua vida,
vai perceber que
os momentos em que você realmente viveu,
foram aqueles em que fez as coisas
no espírito do amor..."
Henry Drummond





Guardiões de Atinis

Guardiões de Atinis


A Idade da Sabedoria

A Idade da Sabedoria

A Idade da Sabedoria

A Idade da Sabedoria

A Idade da Sabedoria

A Idade da Sabedoria

Guardiões de Atinis
Piergiorgio Borgia Photografy
A Idade da Sabedoria



A Idade da Sabedoria

A Idade da Sabedoria

A Idade da Sabedoria

A Idade da Sabedoria



Fonte das Imagen : A Idade da Sabedoria e Guardiões de Atinis

terça-feira, 22 de maio de 2018

A Vida ,Amor e Verdade

Por Rosângela Brunet



Para iniciar minha reflexão eu devo considerar que se estamos falando de Vida é mister que o Amor e a verdade estejam presentes para nos explicar seus segredos . Falar de amor não é fácil,mas não como refletir sobre vida sem tê-la em mente. É uma das matérias primas dessa grande obra de arte. E falando em mente não há como não deixar de relacioná-la com a verdade. 
Porque? Há uma frase que diz : "a mente mente" Porque?  Vamos entender melhor isso mais na frente.
Agora quero introduzir um conceito de Bert Hellinger que nos ensina que a Vida que nos é dada deve ser tomada com gratidão.Não importa qual é a bagagem que ela traz. A gratidão pela Vida que nos foi dada é uma condição para experimentar o Amor que vem com ela. Mas....




Não há vida sem emoção, sem afeto, sem dor, sem morte, sem perda, sem frustração,etc. A sugestão aceitar isso o mais rapidamente possível. Não há maturidade emocional sem se dar conta de nossa própria verdade.E para isso, é necessário aceitar,acolher, olhar de perto aquilo que nos vem todos os dias      e aquilo que evitamos encontrar. Por isso,  amor é urgente nesse processo.
 Não há  vida sem amor. Não há amor sem verdade. Não há verdade sem afeto, emoção ou dor. Só a morte  pode se vangloriar da imparcialidade e da inexistência dessa experiência vital que chamamos vida. 
Gostaria de esclarecer aqui o conceito de verdade. A verdade é aquilo que sou   de mais espontâneo, autêntico e essencial.Aquilo que, uma vez em contato com ela sou liberta.  

Segundo Renato Dias Martino: "Desapegar-se da realidade é uma tarefa simples comparada à empreitada de desfazer-se de uma ilusão(...)A ilusão é tão importante quanto a realidade, para aquele que se dedica ao exercício do pensar" Se eu me desapego devo saber que tenho que deixar para trás muitos afetos, ilusões e sentimentos desconhecidos não elaborados juntamento com o objeto ou pessoa abandonada."


Todos nós estamos neste momento vivenciando alguma dor, luto, sofrimento, ou algum tipo de afeto.Essas vivências podem ser  consciente ou não. E essa fato me leva às   seguintes perguntas: o que fazer com esta dor ou com essa experiência ?  Qual é a lição que a vida esta querendo me dar neste momento ao passar por  isso?  Que tipo de resistência eu estou  eventualmente desenvolvendo para evitar a vida?
Quanto mais eu evito a  vida , e com ela todas as profundas transformações, mudanças e emoções, mais me torno alienado da realidade.Mas distante me torno de mim mesma , da minha verdade, daquilo que realmente sou: Meu Eu verdadeiro, minha essência.


"A realidade é uma ilusão ,ainda que persistente", disse Albert Einstein.Quanto mais vivo em função do que a mente me diz eu saio da presença , do aqui e agora, e comprometo a apreensão daquilo que meus sentidos poderiam capturar. 


"A emoção subjacente que governa todas as atividades do ego é o medo. O medo de não ser ninguém, o medo da não existência, o medo da morte. Todas as suas ações, enfim, destinam-se a eliminar esse temor. No entanto, o máximo que o ego consegue fazer é encobri-lo temporariamente, seja com um relacionamento íntimo, a aquisição de um novo bem ou tendo um desemprenho numa coisa ou noutra. A ilusão nunca nos satisfaz. Apenas a verdade de quem nós somos, se compreendida, nos libertará."Eckart Tolle 



Há algumas razões para não podermos capturar toda a realidade ao nosso redor. 
  • Há bilhões de estímulos diante de nosso olhar chegando a nós, nos atingindo.Não somos capazes de apreendê-los todos ao mesmo tempo. É necessário um filtro.Por isso, o ego entra em ação para nos auxiliar a viver no mundo com capacidade de funcionar de forma adequada.
  • Por outro lado, o Ego/mente não é formado totalmente de verdade,pois na medida em que ele filtra ele cria uma realidade em função de nossas experiências ao longo da vida, levando em conta nossa dificuldade de aceitar a vida como ela é. As defesas do ego são necessárias neste momento para envitarmos a dor e de canalizarmos nossa atenção e energia apenas para o prazer.Isso se inicia desde a tenra infância. Sendo assim, obviamente, este ego irá auxiliar,mas também comprometer a nossa capacidade de análise, crítica, e percepção, levando nossa verdade para bem longe daquilo que chamamos de comportamento. Criamos máscaras para lidar com as nossas questões no mundo, desempenhamos papéis para podermos nos relacionarmos adequadamente na sociedade. A questão principal nesse processo é quando essas defesas se tornam engessadas e as máscaras se tornam nossa própria pele. Nesse caso não seremos capazes de vivermos a vida , de vivenciar o máximo de alegria, paz, contentamento, etc.Tudo que ela tem para nos dar.- - ela tem muito,mas muito mesmo a nos oferecer. A Vida é uma experiência que podemos negar ou aceitar.Tomá-la como ela é. 
  • Outra razão que nos distancia da verdade é a cultura. Cada cultura na qual o indivíduo esta inserido irá  ajudar na construção do que Sigmund Freud chamou de  Super ego e do  Ideal de Ego em “Sobre o narcisismo” (1914c) . 
Entenda mais sobre este conceito de Ideal de Ego e saiba a diferença entre Ego ideal 


Todo sujeito desenvolve defesas do ego  para se defenderem da dor e/ou para lidar com as demandas culturais Isso é vital para a natureza.Não há nada de errado nisso. O problema é quando este auto-engano se torna uma defesa rígida e dificulta a maturidade emocional.Todos nós aprendemos a nos defender. Até os animais possuem esta capacidade. As plantas possuem defesas para enganar a natureza em prol de sua perpetuação.Mas descobrir que tipo de defesa ou resistência que nós desenvolvemos para evitar a dor pode ser um dos caminhos mais difíceis e desfiadores. Por isso , é importante entender o conceito de resistência. Resistência é um mecanismo de defesa extremamente importante para o ser humano.
Clarice Lispector já dizia: "... Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro. " 
A resistência existe para defender o Eu de alguma ameça do meio ou do id. 
Os mecanismos de defesa tem como objetivo proteger a integridade do ego. 
"Segundo Freud, nem tudo que nos ocorre é agradável ao nosso consciente e o nosso ego pode considerar uma série de ocorrências como ameaçadoras à sua integridade, ao seu bem-estar. Nesse sentido diante das exigências das outras instâncias psíquicas – Id, que é nosso lado mais instintivo e do superego, que representa nossos valores morais e regras internalizadas – o ego deseja proteger-se para garantir o bem estar psicológico do sujeito frente a esses conteúdos indesejados."(Luiz Ricardo Friano)


    Marc Chagal - Il Sogno

Ao falar sobre cultura é necessário entender bem este conceito. O dicionário diz que "Cultura significa todo aquele complexo que inclui o conhecimento, a arte, as crenças, a lei, a moral, os costumes e todos os hábitos e aptidões adquiridos pelo ser humano não somente em família, como também por fazer parte de uma sociedade da qual é membro.Cada país tem a sua própria cultura, que é influenciada por vários fatores. A cultura brasileira é marcada pela boa disposição e alegria, e isso se reflete também na música, no caso do samba, que também faz parte da cultura brasileira." (1)Para aprofundar um pouco sobre o que a psicanálise fala sobre o sujeito que se constitui e a a importância da cultura nessa constituição assista este pequeno vídeo do Chritian Dunker


Partindo destes conceitos podemos tentar refletir sobre a razão pela qual temos tanta dificuldade de aceitar a vida como ela é e partirmos satisfeitos ou pelo menos com mais auto-responsabilidade diante de tudo que chega a nós .
Para entendermos melhor a relação que há entre Ego, super ego, ideal de ego, cultura e saber aceitar a vida como ela, bem como os benefícios que essa aceitação nos traz eu convido vocês a lerem minha próxima postagem. 
Gratidão 



(1)  https://www.significados.com.br/cultura/



quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Terra de Morte ("Deadland"). de Paulo Paulaskas

Por Rosangela Brunet



"Muitos  tem em suas almas "Terras mortas" ,secas,infrutíferas por não serem habitadas. . Essa descoberta é que faz-nos acordar para descer as escadas aterrorizantes dos nossos castelos internos com o objetivo de encontrar plenitude e integração do Ser.A Totalidade se atinge com estas coragens. Enfrentar todos os dias os terrores de nossas paixões mais íntimas. Enfrentar as forças perdida, esquecidas , enterradas e presas na escuridão das dúvidas. Desafiar os gritos e uivos disfarçados pela alegria enterradas; terrores impenetráveis, medos,angústias e fugas inacessíveis; lugares escuros cheio de teias de palavras não ditas ,aranhas de sentimentos escondidos, monstros paralisantes que, sem saber, fostes tu mesmo quem criastes...Como disse Jung "temos que Tocar o inferno pra atingir o céu"

Tentando entender a obra de Paulo Paulaskas da minha própria perspectiva, fugindo da interpretação e ouvindo as imagens falando

O tema aqui é Terra de Morte ("Deadland"). Há muito o que se dizer sobre isso. Mas eu vou me deter apenas em questões mais cotidianas onde compreendo ser mais útil aos leitores. 

Muitos de nós temos nossas "Terras mortas" .Essa descoberta é que faz-nos acordar para descer as escadas aterrorizantes dos nossos castelos internos de horror , com o objetivo de encontrar plenitude e integração de ser.

Totalidade se atinge com estas coragens.Enfrentar os terrores de nossas paixões mais íntimas.Como disse Jung " Tocar o inferno pra atingir o céu" 

Entrando nesta terra vamos ouvindo os segredos escondidos atrás de nossos medos de enfrentas nossas sobras. Aquilo que não conhecemos ou até mesmo o que não aceitamos em nós por ser feiro e aterrorizante. .E, então você desce ao porão e O medo da não-existência é o nosso castelo de terror.O maior temor da humanidade é enfrentar cada cômodo deste lugar , assistir cada registros de vida se desprendendo .No entanto o verdadeiro pesadelo existencial que nos escapa é o de não podermos ser aquilos que realmente somos.

Os fantasmas mais assustadores a serem exorcizados são as palavras,os discurso, os cerceamentos de liberdade que nos impedem de Ser; e que não nos pertencem , mas nos apropriamos deles sem percebermos. Eles ficam lá no porão dominando nossos sentimentos, espantando nossos sonhos e escondendo nossa identidade. É preciso se deixar levar pelo sentir a ruptura de ser sempre o mesmo.Afastar as impossibilidades dos cárceres profundos escondidos nas nossas fortificações. Se cindir de estar no mesmo caminho Dar a partida .Mergulhar no Desconhecido " e escuta a voz de dessa terra distante falando com você...

- Sou uma terra onde a morte se estabeleceu .Um lugar onde os sonhos morreram Tenho muito a dizer.Aqui se encontram as tuas forças perdida, esquecidas e enterradas e presas na escuridão das dúvidas. Os gritos e uivos que ouves aqui são apenas vozes distorcidas de das alegria enterradas.Você não não sabe,mas eu tenho tua vida guardada em meus porões.Sou um lugar imenso que você mesmo construiu. Aqui esta tudo velho e com o tempo eu vou ruir .Nada ficará de pé. Esta escuro e sujo.Não há mais alicerces para eu suportar tua dor. Sem mim vai perder as forças e as incertezas te trairão.Nada fica de pé para sempre. Não há mais fé ,nem forças aqui.Sou sua fraqueza,o lugar dos teus pesadelos.Dentro de mim só há terrores impenetráveis, medos,angústias e fugas inacessíveis, lugares escuros ,teias de palavras não ditas ,aranhas de sentimentos escondidos, monstros paralisantes que, sem saber, fostes tu mesmo quem criastes; múmias falsas,verbas não pagas,esconderijos de malfeitores e ladrões de vida. Sou tua marca de dor e sofrimento. Sou horroroso apesar de raso.Não tenho fundamento, por isso estou prestes a cair com o tempo e vou desvanecer, e me tornar nas chamas que teu próprio inferno produziu.Preciso de luz agora,preciso da base que tirastes de ti ,do apoio das famigeradas angústias que te sustentam,mas não vens. Água, por favor e me faça ficar de pé. Porque esse sempre foi teu maior medo.Cair.Por isso te enterrei nos porões.Tens medo da solidão e viestes parar aqui, lugar dos que morrem ,dos que não foram amados e a sós perderam a oportunidade de viver.Os senhores feudais são meus habitantes internos , onde os medos fortificados, as dúvidas enclausuradas nos porões norteiam tua terra; palácio real de terror , lugar de viver com as múmias esquecidas da existência , perdendo suas cabeças e se instalando poderosas no passado sombrio das instâncias desconhecidas da vida de quem não ousa mais amanhecer.Fortalezas em pedras mármore geladas com a morte da esperança.O futuro te amedrontando, a vida te aterrorizando, e a existência insistindo em te assombrar.Um dia desses desça essas escadas, abra estas portas trancadas e tira as teias da parede para o sol. e a luz entrar Se liberte desses horários e tempos perdidos e escondidos de ti mesma , abra mão de tuas certezas para encontrar a confiança de chegar no lugar esperado. Transforme este castelo em tua história de amor e numa terra encantada. "

Palavras de Paulo Polaska sobre sua obra

I lose inside my eyes, and dip inside me, where there are no exits,i m fallen and died without breathing, the dirty reflection of my soul is just what keeps me alive"