O Prazer Provém da Realização do Potencial

Por Rosangela Brunet

"Bonito mesmo é essa coisa da vida: Um dia, quando menos se espera a gente se supera. E chega mais perto de ser quem - na verdade- é" Fernanda Mello
Todo mundo quer ser feliz, todos nós desejamos a realização pessoa. Carl Gustav Jung fala de um processo chamado "Individuação "  como trajeto pessoal para obtenção desses desejos .A psicologia analítica explica esse processo como um caminho onde o indivíduo busca  se tornar  um ser único, ou seja ,busca alcançar sua singularidade ,sua totalidade- Self. E assim, transformando-se em o nosso próprio "Si-mesmo" .O processo ocorre de forma evoluída,onde ele volta-se mais para seu mundo interno, em busca de resgatar aquilo que foi abandonado e deixou de ser realizado pelo ego em função das demandas sociais, e isso, através das relações com o outro. A Individuação é um dos conceitos centrais da psicologia analítica Carl Gustav Jung foi um estudioso da psique humana e nunca considerou a individuação como sinônimo de perfeição. Aquele que busca individuar-se não tem a mínima pretensão de tornar-se perfeito. Ele visa completar-se que é muito diferente.O processo de tornar-se si mesmo, crescer é ao mesmo tempo árduo, sofrido e lento, mas altamente gratificante e libertador. Dá mais tolerância, mais sabedoria, mais segurança e bem-estar.[1].
C.G Jung cita em sua obra que " Sua vida é a história de um inconsciente que se realizou. Tudo o que nele
repousa aspira a tornar-se acontecimento, e a personalidade, por seu lado, quer evoluir a partir de suas condições inconscientes e experimentar-se como totalidade. " Ele ainda reitera que "Se você deseja construir um caminho individual, ele será o caminho que você construir para si mesmo, que nunca é prescrito, que você não conhece com antecedência e que simplesmente aparece quando você põe um pé diante do outro. Se sempre fizer a próxima coisa que precisa ser feita, você percorrerá com total segurança e a passos firmes o caminho determinado por seu inconsciente." [3]
"A meta da individuação não é outra senão a de despojar o si mesmo dos invólucros falsos da persona, assim como do poder sugestivo das imagens primordiais" Carl Gustav Jung 
Ercilia Simone Dalvio Magaldi abordando este tema afirma que " Quando o ego cede a direção da carruagem da vida ao Self e atua como seu co-piloto , auxiliando-o na realização da plenitude da vida, na realização do mito do significado de nossas vidas, adentramos de forma consciente ao nosso processo de individuação, não criamos resistências egóicas e, assim, não adoecemos, e se doentes, nos recuperamos. Em termos homeopáticos cooperamos com o nosso mais alto fim existencial. Buscamos a realização da "causa finalis" de cada um de nós, que é única e singular. " 
"Vivemos em um mundo onde há muita coisa pronta, muitas respostas, muitas prescrições de como ser e viver, mas carente de espaço para a vivência do mistério, do silêncio, da possibilidade de questionar, inventar e contemplar" (CARDELLA, 2009)
A política da sociedade busca encaixar as pessoas em categorias convenientes a ela, sendo bonito, feio, gordo, magro, nerd, popular, louco, inteligente ,burro, etc são alguns deles. Por mais fácil que seja viver sobre um rótulo, como são apenas máscaras que escondem o verdadeiro eu, serão quebrados. A compreensão sobre si mesmo e a busca de agradar a si e não a sociedade se mostra como o melhor método de superar esse desafio social." [2] Erich Fromm disse que "o maior desafio do homem é dar à luz a si mesmo, é tornar-se aquilo que ele é potencialmente". E Machado de Assis completa esta reflexão com a seguinte colocação " Você é aquilo que ninguém vê. Uma coleção de histórias, estórias, memórias, dores, delícias, pecados, bondades, tragédias e sucessos, sentimentos e pensamentos. Se definir é se limitar. Você é um eterno parênteses em aberto, enquanto sua eternidade durar." .E isso tem que ser respeitado.
Enfim, finalizando ainda com Jung, ele diz que " quando seguimos o caminho da individuação, quando vivemos nossa vida, é preciso também aceitar o erro, sem o qual a vida não será completa: nada nos garante - em nenhum instante - que não possamos cair em erro ou perigo mortal. Pensamos talvez que haja um caminho seguro; ora, esse seria o caminho dos mortos. Então nada mais acontece e em caso algum ocorre o que é exato. Quem segue o caminho seguro está como que morto". 
 Mas existe um outro olhar que permeia este processo. É a resignificação do conceito de Prazer.Este conceito nos mostra um dos caminhos  que o sujeito tem vivenciar para fazer parte do processo de Individuaçao

Christiane Vleugels 
"Há tanta beleza no simples. Num simples sorriso, no olhar de quem te ama. Tanta riqueza, tanto poder no que não se compra, no que realmente é teu. Sabe o que de fato te pertence? O que o amor fez brotar em ti. O resto é poeira, mesmo que tenha custado todo o teu dinheiro."Gi Stadnicki
Bianca Pinheiro nos apresenta um projeto chamado "Pequenas Satisfações Humanas", o qual é super interessante.Ela se utiliza da arte em tirinhas para falar sobre aqueles prazeres humanos simples e bastante subjetivo como, por exemplo:
"Passar cotonete no ouvido, espirrar, sentar em cima das mãos durante os dias frios, tirar um cochilo revigorador, escutar sua música favorita quando você menos espera, estourar plástico bolha… ! São momentos que nos fazem sentir aquela pontinha de satisfação que, mesmo vindo de coisas pequenas e tidas como insignificantes por alguns, acabam fazendo com que um sorriso discreto tome lugar nas nossas faces(...)você irá se identificar com as ilustrações...”

Schutz disse que "O prazer é o sentimento que provém da realização do nosso potencial .A realização traz ao indivíduo o sentimento de que pode defrontar-se com seu meio ambiente;o sentimento de autoconfiança, de ser uma pessoa importante,competente e amorável ,capaz de manejar as situações á medida que surgem, de usar plenamente suas próprias capacidades de ser livre para expressar seu sentimentos. O prazer requer um corpo energético e vivo,auto satisfação, relações produtivas e satisfatórias com os outros e uma relação bem sucedida com a sociedade"[1]
No entanto, segundo Fritz Perls "O homem moderno vive num baixo grau de vitalidade.Ele acha que o tempo para diversão ,prazer,crescimento e aprendizagem é a infância e a juventude, e abdica da vida espontânea quando atinge a maturidade. Parece haver perdido toda capacidade de sentir e de se expressar direta e criativamente. Ele é muito bom falando em problemas, mas pouco sabe lidar com eles.Reduziu a vida a uma série de exercícios verbais e intelectuais.Pouco sabe da verdadeira vida criativa." 
Em seu artigo, Luiz Carlos Garrocho que "A infância tornou-se, em determinados momentos históricos e em alguns contextos sociais, detentora da memória lúdica humana. Ela conquistou essa memória porque os adultos estavam por demais ocupados com a produção e a reprodução da vida. Além de serem depositárias de uma memória que os adultos não podem, nas sociedades industriais, exercitá-la, as crianças reinventam a história humana. Inventam o tempo em que os seres humanos se envolviam corporalmente com o mundo. A criança fabrica o sentido e explora os sentidos antes de ficar memorizando abstrações. Entra em contato com a terra, deixando-a deslizar pelas mãos, sentindo o seu escoamento até fazer um filete comprido.Muitos artistas continuam fazendo o mesmo , e por isso eles guardam uma estranha e aparentemente secreta sensação de felicidade e liberdade."[2]
Segundo a Teoria da Análise Transacional" na infância, a "criança é livre", é aquela que faz espontaneamente aquilo que ela quer, independentemente de regras e normas. Elas são motivadas, possuem um entusiasmo espontâneo, são criativas e independente Elas possuem esta capacidade de apreciar pequenos prazeres como brincar com a água, andar descalço, sentir o pingo da chuva caindo, colocar a mão na terra sem sentir nojo, cair de rir sem sentir vergonha, elas fazem disso uma fonte de alegria e felicidade Com o passar do tempo o indivíduo vai perdendo essa espontaneidade , e se distanciando dessa criança que ainda vive dentro de si . A criança livre que habita em cada um é a fonte de criatividade ,imaginação e alegria.A espontaneidade é justamente quando esse indivíduo resgata essa criança interior esquecida pelas travessias sociais. É quando os sentimentos, as percepções e as sensações mais legítimas estivesses voltando a viver dentro do indivíduo.E é nesta jornada de amadurecimento que ocorre o processo de individuação. É quando começamos a tomar consciência e rever cada padrão de pensamento . C.G. Jung chama isso de "pensamento Limitador ".Se torna, então imperativo repensar cada ação relacionada a estes pensamentos, e observar quais são os hábitos e gerados por estas limitações responsáveis pelo bloqueio mental, emocional e comportamental.
“Sem a consciência (de nossos) potenciais, limitações e das(nossas)necessidades , a liberdade é um conceito ilusório. Essa é a razão de encontrarmos, nos dias de hoje, tanto falatório sobre a liberdade, e tanta compulsividade e instinto gregário e falta de liberdade, conseqüências da negligência em relação à necessidade"providencial" inata, à necessidade de "individuação", que exige nos tornarmos aquilo que somos "destinados a ser"(E. Whitmont ,In "A Busca do Símbolo")
Segundo Ângela Magda, Denise de Souza e Mônica Neves “Se queremos matar uma ideia em sua nascente, basta criticá-la efusivamente ao ser apresentada, rir ou ridicularizá-la diante.dos demais; e se quem a apresentou não desenvolveu ainda características de personalidade como persistência, independência de pensamento, autonomia e coragem para assumir riscos (como acontece freqüentemente com a criança pequena, em estágio de desenvolvimento), teremos então a quase certeza de que seu pensamento criador, no nascedouro rico, espontâneo e divergente, passará por uma transformação radical, da qual restará apenas a rigidez, o conformismo, a dependência de pensamento, a cópia e reprodução das idéias. " [3]
As escolas e educadores sob a influência dessa cultura sofrem com esse tipo de determinismo limitador. Podem ser veículos inibidores da criatividade de muitas crianças caso não estejam consciente dessa realidade.
Obra de Cândido Portinari 
"Meninos Soltando Pipas",1938
O fato é que se não tomarmos cuidado acabamos nos tornando robôs sociais. Sem autenticidade espontaneidade suficiente para prazer suficiente nas coisas simples e essenciais,as quais não possuem preço,pois não estão á venda.
Atualmente estamos vivendo em uma época que apesar de termos liberdade para se expressar, para fazer e penar oque quisermos , tenho que concordar com Sliker quando ele diz que " Para ser autêntico e espontâneo é preciso muita coragem, pois vivemos em um universo onde expressões de visão individual representativa do que é subjetivo não são bem vindas .A sociedade ,embebida em pensamento egoísta e na luta pela sobrevivência procura o objetivo, o tangível, o certo, o seguro”[4] 
Por isso a arte é tão importante, pois ela facilita o resgate desta espontaneidade de várias formas. 
Em primeiro lugar, porque uma da técnicas utilizadas para resgatar esta espontaneidade é tomar consciência de si mesmo como objetivo de desenvolver o autoconhecimento e auto satisfação.E a arte facilita isso porque os materiais utilizados pelos artistas podem servir, se bem direcionado, para otimizar este processo.
Em segundo lugar porque a espontaneidade e a criatividade esta diretamente proporcional a capacidade de conhecer e lidar com seus próprios sentimento,impulsos e instintos . (FREUD, 1910) disse: “A natureza deu ao artista a capacidade de exprimir seus impulsos mais secretos, desconhecidos até por ele próprio, por meio do trabalho que cria; e estas obras impressionam enormemente outras pessoas estranhas ao artista e que desconhecem, elas também, a origem da emoção que sentem”. 
E finalmente, porque as imagens contidas no inconsciente são resgatadas no fazer artísticos.Mas você pode estar pensando :eu não sou artista,não tenho nenhuma habilidade artística .
Minha intenção nesta reflexão é chamar a atenção para o fato de que todos nós possuímos um gênio criativo dentro de cada um, mas se encontra reprimido e desconhecido , pois não fomos educados para desenvolver nosso cérebro em toda sua dimensão .A espontaneidade foi comprometida e até mesmo, em muitos casos, totalmente anulada. Mark Rothko, um artista que muito admiro disse uma vez :" Para nós, a arte é uma aventura em um mundo desconhecido, que pode ser explorado somente por aqueles dispostos a assumir os riscos. Eu não sou um abstracionista. ... Eu não estou interessado nas relações de cor ou forma ou de outra coisa. ... Estou interessado apenas em expressar as emoções humanas ... ".
Schutz nos explica que a nossa capacidade de aprender, perceber e sentir esta num nível inconsciente e diretamente ligada ao desenvolvimento emocional.Aqui é onde a nossa "criança livre precisa ser respeitada e aperfeiçoada conforme cada cultura, mas sem anular a identidade do indivíduo e mantendo sempre a capacidade de responder as demandas sociais de forma equilibrada,ou seja, saber encontrar o equilíbrio entre o que desejo e necessito e o que a sociedade me impõe e requer de mim. Fritz Perls dizia que o maior desafio do homem é esse:encontrar este equilíbrio,e que a neurose se instala nesse meio fio que vamos alinhavando ao longo na tão complexa jornada.
“As palavras que movem e que constituem perigo são as palavras que não podem ser ditas em nenhuma língua: as palavras dos sonhos. [...] Quando não se fecha uma estória, a multidão fica contaminada pela doença de sonhar.” (Mia Couto. "Antes de nascer o mundo").
Enfim, o gênios criativo que esta dentro de cada um de nós tem esta capacidade:encontrar esta palavra escondida, a imagem desconhecida, o outro que nos habita, e isso nos vem no fazer artístico através de imagem, de cores, de sons, ou materializada em argila ou movimento, cenas pintadas, sons e letras. Seja em qual for o tipo de arte, você poderá alcançar esta "palavra". Mia couto sabia o que estava falando quando se referiu a esta linguagem tão perigosa.Ele sabia que ela era transformadora e libertadora,pois tinha consciência de seu poder de conectar o homem com seu seu verdadeiro Self .


Referências Bibliográficas
[1]William C.S.Schutz In:"O Prazer"
[2 Por Luiz Carlos Garrocho,"O Brincar e Suas Linhas de Errância-Artes Cênicas e Educação(http://contruindooser.blogspot.com.br/2013/04/por-luiz-carlos-garrocho-o-brincar-e.html)
-http://exibircertificado.blogspot.com.br/2013/07/artistas-que-profetizam.html
[3 ]TOC,TOC,Plin Plin
[4]( G.Sliker,1992,p ag.111)http://lounge.obviousmag.org/venturarte/2013/08/pequenas-satisfacoes-humanas-em-formato-ilustrativo.html
Artes e Ideias por Camila Agner

Referências: 
[1] Fonte: Entrevista: Alma e pensamento sem fronteiras - Dulce Briza - Revista JUNG e JUNG Vida e Obra de Nise da Silveira.
[2]Allisson Vasconcelo Oliveira e Isabelle Fernandes Vieira de Matos Rocha
[3]Trecho da carta de Jung para Frau V. - Fonte: C. G. Jung CARTAS - vol 1 selecionadas e editadas por Gerhard Adler com a colaboração de Aniela Jaffé - Petrópolis - Vozes, 2002-2003Instituto C. G. Jung MG
[4] livro Memórias, Sonhos e Reflexões- Jung


[5] BOLETIM CLÍNICO - número 20- julho/2005http://www.pucsp.br/clinica/publicacoes/boletins/boletim20_11.htm

Comentários