Aprendam o SIlêncio

Por Rosangela Brunet
(Uma pesquisa sobre o Tema Solidão e o Cinema de Andrei Tarkovsk)
"Uma única coisa é necessária: a solidão. A grande solidão interior. Ir dentro de si e não encontrar ninguém durante horas, é a isso que é preciso chegar." (Rainer Rilke)
A palavra que nos falta esta sempre negociando nossa existência, nos tornando sujeito do que não conhecemos , nos constituindo e nos transformando naquilo que o outro nos determina. Que palavra é essa que não pronunciamos,indizível pelo que que nos falta ser...O que importa é o inominável; o que ansiamos é o impronunciável. Isso é o que nos define. Bem(dita) seja a palavra,mas "Mas preste atenção no que eu não digo."No "não dito" é onde habita o silêncio fértil , ali no entrecorte da comunicação, que fundamenta o que realmente importa . Por trás dos nosso "nadas" a palavra se esconde disfarçando universos temidos ....por isso, tanta gente tem dificuldade de conviver com o silêncio do outro e até do seu próprio. O poeta José Inácio Vieira de Melo disse: "As Palavras estão Grávidas " , e Livia Garcia Roza acrescenta " Estamos sempre no limite do impronunciável".
O silêncio é cheio de paisagens.Por isso , eles são tão caros, não suportam o barulho dos signos previstos no dicionários. O que não falo tem que ser dito sem formas e (de)formas des(conhecidas) ; ausentes das falácias cheias de rotinas nos olhos.As palavras são distrações. O que me importa é o inominável , o que eu anseio mesmo é o impronunciável. O silêncio, o não-dito, os entrecortes da fala, o significante do desejo , os desvios anunciando o vazio , o "não-saber' se estruturando sobre o inesperado. Que seja bem(dita) a palavra!! "Mas "preste atenção no que eu não digo" Quando a cena é muda a alegria é bonita só de existir, e a coragem espontânea se apresenta enxergando o paraíso , e visitando paisagens cheia de felicidades sonhadas,demolida pelas esperas aflitas de tanto falar.Ali os meus olhos tem todos os sonhos que não cabem em mim , e cintilam surpresas anunciando futuros; porque ali moram os que ousam calar,ali habitam os que amam.
O silêncio é composto de muitas palavras,mas elas necessitam de paz para entendê-as.Elas só falam a quem esta disposto a ouvir. O Silêncio só Fala quando Silenciamos em Paz. O silêncio vibra no Inatingível e habita no inominável.Como um véu ladeando o impronunciável não há quem o interprete. Pois é ausência dos ruído das certezas . Noite de palavras. Sossego do pensamento repousando sobre a impossibilidade do dizer. Experimentando a inação dos movimentos , atravessando os dias sombrios, fazendo nascer o milagre e desvendando o desconhecido.A paixão sempre será sua aliada, pois quando tudo termina , somente ela se sustenta nessa dimensão. O silêncio é um misterioso oceano submerso no infinito.O segredo da criação.É a terra fertilizando . Ali nos encontramos com o que somos. Somos livres dos mortais porque no silêncio ele subsistem .É Música da cor de céu.Longa interrupção sinestésica forçando pausas na existência. Sinal de que é hora de deitar as angústias, representar as esperanças,guardar o futuro improvável do incorrigível.Ali , livre do fracasso das prisões, silenciamos nossas armas, lavamos nossa alma, calamos nossas falhas.Silêncio: O berço dos significados.É isso...o silêncio é um lugar de encontro e auto descoberta .Um espaço de renascimento . O inominável habita ali.É ali que a fonte de alegria, felicidade, e força pode ser liberada. A ausência de certeza se encontra no silêncio .Então, eu sossego, repouso e descanso, esperando e calando toda dor e sofrimento .E, enquanto isso a Luz vai nascendo em mim , sussurrando em meu ouvido , dizendo: Você esta se desvendando e sua existência é infinitamente feliz.Viva agora!!
"...assim como o espaço em branco é importante no poema, assim como a pausa organiza a música, o saber pode brotar do silêncio. O jorro contínuo de palavra pode ostentar apenas ansiedade. O conhecimento pode se instalar no entreato.O silêncio também fala. É isto que se aprende durante as ditaduras. E por outro lado, durante as democracias se aprende que o discurso nem sempre diz. Portanto à audácia de desaprender o aprendido, soma-se a astúcia do silêncio." (Affonso Romano Sant’Anna Em Um "Discurso proferido no Palácio Capanema )
"O silêncio numa vibração Inatingível é habitação do inominável.Como um véu ladeando o impronunciável , não há quem o interprete. Pois, é ausência dos ruído das certezas .Noite de palavras.Sossego do pensamento repousando sobre a impossibilidade do dizer .Conhece a inação dos movimentos atravessando os dias sombrios, fazendo nascer ,assim, o desconhecido. E a paixão sempre será sua aliada, pois quando tudo termina , somente ela se sustenta nessa dimensão.O silêncio é misterioso oceano submerso.As palavras são distrações. É preciso se livrar delas .O que me importa é o inominável , o que eu anseio mesmo é o impronunciável. O silêncio, o não-dito, os entrecortes da fala, o significante do desejo , os desvios anunciando o vazio , o "não-saber' se estruturando sobre o inesperado. Que seja bem(dita) a palavra!! "Mas preste atenção no que eu não digo"
Quando a cena é muda a alegria é bonita só de existir, e a coragem espontânea se apresenta , visitando a paisagem cheia de felicidades antigas. Ali os meus olhos tem todos os sonhos que não cabem em mim , e cintilam surpresas anunciando futuros, porque ali habitam os que ousam amar enquanto não falam.
" Toda arte é uma forma de literatura, porque toda arte é dizer qualquer coisa. Há duas formas de dizer - falar e estar calado. As artes que não são a literatura são as projeções de um silêncio expressivo. Há que procurar em toda a arte que não é literatura a frase silenciosa que ela contém, ou o poema, ou o romance, ou o drama."Fernando Pessoa

Andrei Tarkovsk

Segundo Rejane Borges "O Cinema de Andrei Tarkovsky é complexo. Andrei Tarkovsky era complexo. Afirmou que "por meio do Cinema era necessário apontar os problemas mais complexos do mundo". E ele, de fato, situou os problemas do mundo em seus trabalhos. Era um existencialista, queria conhecer a fundo a consciência do Homem. Assistir a um filme de Tarkovsky é como dialogar com a filosofia. Intimista, detalhista, racional. Entretanto, este excesso de racionalismo é, por vezes, compensado por uma dose de fantasia, o que deixa seus filmes ainda mais intrigantes. . Começou sua carreira com o renomado "Andrey Rublev" (1966), sobre a vida do pintor russo de ícones religiosos. Considerado por muitos críticos sua obra-prima, o filme trata sobre fé e espiritualidade. Logo após veio Solaris (1972), uma profunda análise existencial que mistura ficção científica e filosofia. Em 1974 lançou "O espelho", quase um diário de memórias do diretor, com uma narrativa amparada nas poesias do próprio pai, o que confere um ar romântico ao enredo. É neste filme que Tarkovsky atiça todos os sentidos com uma originalidade surpreendente para a época. Em 1979 lançou "Stalker", também com traços autobiográficos, e venceu o "Prêmio da Crítica do Festival de Cannes", em 1980. "Stalker" trata, com maestria, as relações entre os indivíduos. A sede pelo autoconhecimento levou o cineasta a produzir uma obra que pode ser considerada uma das mais pessoais de todo o Cinema, uma obra quase que inteiramente autobiográfica, a qual buscava conceitos absolutos como a Verdade, o Amor, a Liberdade, a Consciência.Por ser inspirador foi chamado de "Dostoievski do Cinema". ...seus trabalhos continuaram com a mesma temática e em 1983 lançou "Nostalgia", com o qual regressa à infância em uma verdadeira odisséia de lembranças. Seu último filme foi "O Sacrifício", de 1986, permeando temas como determinação e esperança, levando quatro prêmios em Cannes. À época, o cineasta já estava combatendo um cancêr de pulmão que o levou à morte naquele mesmo ano.O cineasta exige de seu público certa introspecção, por serem seus temas sempre enigmáticos e apoiados em correntes filosóficas"[1]
Andrei Tarkovsk filmando "The Mirror" 


Segundo ABATE ALEPH " A solidão é, talvez, o exercício mais natural do nosso poder. Isso é quando nós crescemos alguns dos estado mais nutritivo para a mente eo espírito, quando experimentamos as tempestades mais substanciais e quietude mais reconfortante A pratica da solidão saudável é um veículo requintado. Nosso diálogo interno tem corantes especiais e nós temos que nos confrontar, auto-regular sem intermediários. No entanto, em muitos contextos, isso não é valorizado . É menosprezado , por suspeita ou mesmo por medo; é evitada a todo custo e está associada com a ideia de derrota social ou de tédio. E essa aversão cultural à solidão acaba privando milhões de pessoas a aproveitar, os benefícios que só ela fornece.

The Mirror (Зеркало)

Um entrevistador perguntou para Tarkovsky, placidamente no cimo de uma árvore. Para que o cineasta russo, cuja obra certamente comunga com elementos tais como pausa, silêncio e solidão, Ele responde que todos deveriam aprender a cultivar a solidão:"Eu não sei, eu acho que eu só gostaria de dizer : aprendam a estar sozinho e tentar passar o máximo de tempo possível com  vocês mesmos. Eu acho que uma das falhas entre as pessoas  é que elas tentam  ficar no meio de  eventos que são barulhentos, quase agressivo. Em minha opinião, esse desejo  e   evitar  de   sentir sozinho é um sintoma de se sentir  infeliz. Cada pessoa precisa aprender desde a infância como passar o tempo cosigo mesmas. Isso não significa que a pessoa deve estar sozinho, mas não deve ficar entediado com você mesmo, porque as pessoas entediadas com sua companhia pode estar em perigo no que diz respeito à auto-estima ." [1]
The Mirror (Зеркало)

The Mirror (Зеркало)

The Mirror (Зеркало)

Andrei Tarkovsky, Sculpting in Time


Rubem Alves diz :É preciso educar os ouvidos a ouvir, e ouvir frequentemente as coisas que não são ditas(...)Há uma voz, há alguma coisa que é dita nos interstícios "

Esta reflexão me fez lembrar de texto de Everton Behenck sobre Solidão e Silêncio




"Se você se encontra sozinho, só olhe para si e espere calado.Não interrompa o silêncio.Ele é um mundo falando .E é tanto.Não importune sua solidão com agendas de telefone ,com mensagens

antigas. Elas agora são sala vazia.E uma visita seria dolorida.É gratuita.Deixe que a solidão se assente.Espere paciente que ela encontre seu lugar em você.Provavelmente levará algum tempo,e o primeiro ímpeto.Será buscar abrigo no primeiro amigo que passar a porta.Mas é provável que seja inútil . Então, não faça .Deixe sua solidão descansar .Leve-a até a janela para que possa ver a rua ,e s sentir o vento no rosto.(A ausência precisa respirar).Pode acontecer uma certa vertigem pela violência com que se impõe de súbito.Esse novo e amplo espaço ao redor de você é a solidão.O desterro de pés no chão .Não saberá jamais se ela o perdeu ou você a ela.Mas isso já não será importante.Permita que sua solidão lhe conte o que tem guardado há tanto tempo enquanto você escondia-se dela nela.Escute atentamente e seja forte e calmo.E esteja pronto para algum choro quem sabe.Uma vontade de deitar.Uma sensação de que é tarde .A solidão sabe seu limite.E não fará nada em nome de uma dor deliberada .Entenda sua solidão e a nobreza do que ela traz. Nas mãos.Torne seu olhar brando e as mãos leves .Deixe que sua solidão lhe apresente, finalmente ,ao que eventualmente ,pode vir a ser você "


"E mesmo quando o barulho de fora for alto demais, confuso e estridente,Continue a tocar sua própria melodia no seu ritmo, calma e tranquilamente...Gabriela Saad


Referências :

[1]© obvious: http://obviousmag.org/archives/2010/09/o_cinema_poetico_de_andrei_tarkovsky.html#ixzz3lS4YW8E6
[2] PUBLICAÇÃO em Vital dicas [1] em 06 de abril de 2015 por ABATE ALEPH http://www.saludypsicologia.com/posts/view/619/name:Un-mensaje-de-Tarkovsky-para-los-jovenes-APRENDAN-A-ESTAR-SOLOS
Fonte de Fotografias 
http://madmuseum.org/series/andrei-tarkovsky-sculpting-time
http://www.blogsoestado.com/emcartaz/2014/07/09/grandes-diretores-andrei-tarkovsky/
http://www.madmuseum.org/events/mirror-%D0%B7%D0%B5%D1%80%D0%BA%D0%B0%D0%BB%D0%BE

Comentários