terça-feira, 19 de maio de 2015

Ensaio Fotográfico de Mark Seymour sobre "Doença de Alzheimer" : A harmonia de Ronnie

Tradução Rosangela Brunet

Ronnie Seymour morreu no início deste ano de Doença de Alzheimer. Seu filho Mark, que documentou declínio de seu pai através de fotografias, descreve como tocar  uma gaita lhe traz  uma  lembrança do homem que eles estavam perdendo.
Ronnie era o homem mais firme que você poderia imaginar. Ele era engenheiro e gostava de planejar tudo ao mais ínfimo pormenor.Ele estava sempre em casa exatamente na mesma hora e costumava passar horas em sua oficina, que ele mantinha impecavelmente. Ele fazia seus próprios alto-falantes estéreo e até mesmo projetou e construiu um porta-stop especial usando pneumática. Pode-se dizer que ele tinha uma inteligência prática.

Meu pai, que morava na mesma rua em Burnham, em Buckinghamshire, ao longo de toda a sua Pai, que morava na mesma rua em Burnham, em Buckinghamshire, ao longo de sua vida, manteve-se tremendamente ajustado. Ele fazia flexões e abdominais e fabricava seus próprios pesos usando recipientes de água. Sua mente estava sempre ativa .
Sua noite perfeita era  sentar-se em sua cadeira de balanço  e ler a Encyclopaedia Britannica. Ronnie simplesmente amei fatos e ele tinha uma memória excelente. Sua área de especialização sobre a Segunda Guerra Mundial, Hitler, em particular. Ele adora isso. Costumávamos brincar que ele deveria ter sido o mentor de Hitler sobre seus assuntos políticos. Ele teria sido certamente um trunfo útil para qualquer equipe pub quiz. 
Ronnie se aposentou aos 65 e ele e minha mãe, Winnie, costumava passar todo o seu tempo juntos. Gostava de ir a pé com seu Pai, que morava na mesma rua em Burnham, em Buckinghamshire, ao longo de sua vida, manteve-se tremendamente ajustados. Ele fazia flexões e abdominais e fabricava seus próprios pesos usando recipientes de água. Sua mente estava sempre ativa também. Sua noite perfeita era sentar-se em sua cadeira e leia a Encyclopaedia Britannica.
Mas três ou quatro anos atrás Ronnie começou a mudar. Ele começou a esquecer pequenas coisas e começou a cair no sono na mesa durante as refeições. No primeiro, pensei que era apenas os efeitos da idade , mas o diagnóstico  chegou e descobrimos que ele tinha a doença de Alzheimer.
Nos  primeiros dois anos, o declínio foi muito lento. Ronnie ainda era capaz de fazer coisas como vestir-se e alimentar-se. Mas, no início do ano passado  estava ficando muito difícil para minha mãe lidar com isso Eles sempre tinham sido um casal amoroso, mas seu comportamento, que sempre tinha sido impecável, começou a tornar-se mais errático.
Finalmente, decidimos que a melhor coisa para Ronnie era achar  uma casa para adaptá-lo.Não foi uma decisão fácil e não achamos  muitos lugares bons.
A casa  que encontramos era  " Oakwood House", era ótima. Eles cuidavam dele muito bem. Mas foi difícil deixá-lo lá pela primeira vez em abril do ano passado. A minha mãe me contou  que sua primeira noite sem Ronnie,  longe dele, foi a primeira noite que ela   passara sozinha, depois de ter compartilhado um quarto com sua irmã antes de casar com Ronnie.
Fizemos  um quarto para  Ronnie nessa casa tão confortável quanto  podíamos. Nós colocávamos uma foto de uma sombra negra de Vincent, a moto que ele tinha montado na década de 1960, na parede. Mesmo quando o pai não conseguia lembrar o nome das pessoas, ele era capaz de falar sobre a moto. Ele  mostrava  para os enfermeiros onde o eixo de manivela estava  e seu  trabalho em torno dele.
Outra coisa que fizemos foi  levar  uma gaita para lá. Papai tinha uma coleção de cerca de cinco ou seis, incluindo uma adorável, "top-quality Hohner" que ele   havia comprado para ele em seu aniversário 15 anos.
Tocar    gaita era algo que ele sempre havia  feito. Ele não era   profissional, mas ele era muito bom. Depois de um tempo em casa, meu pai tinha  piorado mais na medida em que  tínhamos que dar comida para ele. Caso contrário, ele não saberia que  estávamos lá. "Eu não sabia que era para mim", ele diria, como alguém passasse-lhe uma refeição   deitado sobre a superfície ao lado dele.
Era a mesma coisa com a gaita. Ele não iria buscá-lo por conta própria. Mas quando alguém colocava em suas mãos, ele ainda era capaz de tocar uma música. Ele ainda consegui tocar " God Save the Queen"  e algumas  outras.

Embora nessa fase ele nem se lembrasse nem  mesmo os nomes de sua família, ainda havia um pouco de habilidade musical, assim como a memória que ele usava ao mostrar  as peças da moto, quando ele olhava para a foto "Black Shadow". Mas quando ele tocava a gaita era como  se o velho Ronnie estivesse de volta apenas por alguns poucos minutos. Eu acho   que isso  o ajudou, no sentido de que o estimulava m pouco. 
_______________________________________________

O que é a doença de Alzheimer?[1]
Um termo referindo-se a um conjunto de sintomas, que podem incluir perda de memória e dificuldades com a resolução de problemas ou linguagem.É uma doença degenerativa com base  cerebral, atualmente sem cura.A doença de Alzheimer afeta 62% das pessoas que vivem com demência.
Cerca de 850 mil pessoas têm demência no Reino Unido - pouco mais de metade são diagnosticados.
Aproximadamente uma em cada 20 pessoas com mais de 65 anos de idade tem, subindo para um em cada seis com a idade de 80. Um em cada três no Reino Unido vai tê-lo pelo tempo que eles morrem.
_______________________________________________________________________________ 


Minha mãe e meu pai sempre amaram a música, especialmente a clássica, e eles costumavam   ir a concertos. Isso era uma grande parte de quem Ronnie era e, mesmo quando ele estava doente em outros aspectos, era uma parte que ainda podia ver relances do quando ele era entregue a gaita.
No início deste ano, Ronnie começou a ir ladeira abaixo mais rapidamente. Ele não podia mais usar a gaita. Seus músculos foram desperdiçados e ele tornou-se incontinente. Ele não podia mais fazer nada por si mesmo. Ronnie desenvolveu grandes escaras logo abaixo suas costas e, no momento em que ele morreu, aos 82 anos, em março, sua qualidade de vida era pobre. Em certo sentido, foi um alívio para nós que ele não tivesse que passar por tudo isso por mais tempo.
Ronnie morreu segurando a mão de uma enfermeira. Quando os diretores do  funeral vieram para levá-lo embora, trouxeram 15 ou mais funcionários alinhados para formar uma espécie de guarda de honra. Vários deles vieram  a seu funeral. Foi muito emocionante porque, obviamente, gostavam de Ronnie,  e eu acho que, apesar de os efeitos da doença de Alzheimer, eles tiveram uma ideia do   bom homem que ele era.
Eu sempre fotografei tudo que podia desde que eu tinha seis anos de idade.Isso se tornou  a minha profissão. Então, parecia uma coisa natural para mim , documentar o declínio de Ronnie após a demência que havia sido  diagnosticada. Porque foi para isso  que eu fui treinado a fazer , e me sinto confortável com isso, fiz minhas visitas à casa  para ficar mais fácil de lidar com essa realidade. Foi mais fácil do que ter uma conversa com Ronnie no final.
Se eu tivesse sido um conselheiro, eu suponho que eu poderia ter enfrentado os problemas emocionais de uma forma diferente. Mas a fotografia foi a minha maneira de lidar. Eu queria mostrar o que um homem gentil e maravilhoso como o meu pai transforma uma pessoa acometida pela  doença de Alzheimer.O que isso  faz com uma pessoa.
Mark está esperando para colocar em uma exposição de suas fotografias mostrando a vida de Ronnie com Alzheimer. Ele falou com Justin Parkinson.
A Sociedade de Alzheimer está executando uma semana de conscientização demência de 17 a 23 de Maio.
 .
 Fonte:[1] Sociedade de Alzheimer, BBC Ciência
 [2] Jornal BBC: http://www.bbc.com/news/magazine-32722654

Nenhum comentário:

Postar um comentário