quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

É preciso Escrever. As Palavras Tem Pressa

Por Rosangela Brunet


Eu não sou escritora, sou psicóloga e coach. Esta é a minha vocação.Mas, escrevo pra desatar meus nós .Escrevo para desentalar as letras travadas, desconsertar meu português horrível, que as vezes me deixa na mão quando eu mais preciso. Sempre que estou numa situação de impasse eu troco as terminologias ,e apesar de conhecer bem o conceito esqueço o símbolo que o designa.Outro dia troquei locador por locatário.Um rubor de avermelhar . Mas sei que a intensidade dos meus pensamentos sai dos porões desconhecidos , dos lugares escondidos , das passagens proibidas, das portas de emergência de onde nascem as palavras que transbordam em mim. Lá elas não se sustentam, então elas fogem pro lado de fora para encontrar um sentido, para descobrir abrigo em algum coração que me leia. 

A Palavra é minha salvação e sempre foi uma das minhas maiores companheiras ainda que caladas. Sempre gostei muito de pensar e de falar, era boa nisso.Mas de repente fiquei muda de cansaço. Ai comecei a escrever porque não havia mais outra maneira de me expressar. O silêncio calou minha boca e a Palavra me iniciou .Foi o símbolo se encontrando com o sentido de existir.Então, nasceu a Palavra em mim

Mais ainda há muito o que dizer. E as palavras tem pressa. Por isso, não interdite sua atenção com estes sígnos. Pois, como disse Clarice Lispector :" O que não sei dizer é mais importante do que o que eu digo."

“As palavras que movem e que constituem perigo são as palavras que não podem ser ditas em nenhuma língua: as palavras dos sonhos. [...] Quando não se fecha uma estória, a multidão fica contaminada pela doença de sonhar.”
(Mia Couto. "Antes de nascer o mundo").
Por isso, é melhor continuarmos com a dúvida, insistir na pergunta que fica gritando em nossos olhos, pairar sobre ela ,se esconder com ela até a luz desvendá-la..O que importa é o inominável; o que ansiamos é o inatingível. Isso é o que nos define. Bem(dita) seja a palavra,mas "Mas preste atenção no que eu não digo -
Paul Cezanne
"Forest Interior"

diz Leminsky .Pois, é "No "não dito" que habita o silêncio fértil ,é ali no entrecorte da comunicação, que o que nos constitui se sustenta . Por trás desses "nadas" que evitamos viver que a existência passa com a palavra disfarçada.No meio de temores e pulsões extraviadas ela nos espera para ser revelada O silêncio tem uma fonte nascente de significantes mal entendidos.Por isso, o poeta José Inácio Vieira de Melo disse: "As Palavras estão Grávidas " , e Livia Garcia Roza acrescenta " Estamos sempre no limite do impronunciável. Rubem Alves continua :É preciso educar os ouvidos a ouvir, e ouvir frequentemente as coisas que não são ditas(...)Há uma voz, há alguma coisa que é dita nos interstícios"
E, é essa voz que atravessa cortando o caminho para me constituir.É essa voz que me causa estranhamento e me insiste em existir
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário