sábado, 15 de agosto de 2015

Função Catártica da Música

Por Rosangela Brunet

A música age no sujeito de uma maneira intensa, rápida, infalível e possui uma linguagem de aspecto universal que excede os limites da individualidade e atinge o âmago do ser. Por este motivo, Schopenhauer acredita que as demais artes referem-se às sombras, às cópias das ideias; enquanto a música refere-se ao protótipo, à essência que é a própria vontade:De modo algum a música é, como as outras artes, reprodução das ideias, mas reprodução da própria vontade, cuja objetividade também são as ideias; por isso o efeito da música é tão mais poderoso e incisivo do que o das outras artes; pois somente essas se referem à sombra, aquela porém à essência  (SCHOPENHAUER, 2000, p.105). 

The Music Jacques le Nantec.France


Todas as vezes que vejo esta fotografia de Hari Menon não posso evitar de pensar no processo catártico da música .Aldous Huxley diz que "depois do silêncio, o que mais se aproxima de expressar o inexprimível é a música..", e Renata Mattos acrescenta que : " música testemunha o encontro com o real e um modo de lidar com ele. Ela dá aos sujeitos um vazio a partir do qual cada um de nós poderá acrescentar suas próprias notas, criando significações singulares”

Fotografia de Hari Menon. Parikrama perfomance Bangalore.
"Take me there .....!"

"...A música levaria quem a ela se entrega a uma espécie de experiência catártica, passível de descarregar suas tensões internas(...) do comentário de Boris de Schlozer a propósito de Bach e do artista em geral: "O que caracteriza essencialmente o artista (...) é a produção de uma coisa cuja geração, cujo próprio processo de geração, modifica seu autor, permitindo-lhe transcender-se, ser, ao mesmo tempo, plenamente ele mesmo e um outro." A atividade criadora consistiria, sempre segundo esse autor, "não unicamente em gerar um sistema orgânico, mas ainda em produzir conjuntamente o próprio autor desse sistema, o que nele se acha imediatamente presente."
KAUFMANN, Pierre. Dicionário enciclopédico de psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996

Fotografia de Henr iManuel ,"Young Musician"
Compartilhada Por Sebastião Salgador 
Frieda Teller num artigo sobre o talento musical e a fantasia (1917-19), comparou a emoção musical a um processo regressivo quase alucinatório, que assume a forma de fantasias e lembranças.Como modalidade singular de expressão do psiquismo recalcado, à semelhança do sonho, dos sintomas neuróticos e dos atos falhos, a música levaria quem a ela se entrega a uma espécie de experiência catártica, passível de descarregar suas tensões internas" (Pierre Kaufmann ,In Psicanálise e Música- Dicionário enciclopédico de psicanálise )



"Músicos' , Conjunto de cinco figuras em bronze feitas
Obra do mexicano Carlos Diener.


Segundo Renata Mattos , "A música, enquanto arte, envolve simultaneamente o sujeito e um ato, seja o da criação, da escrita desta criação, da leitura e interpretação, ou mesmo da escuta, quando esta se trata de uma escuta causada por um objeto artístico que convoca o ouvinte enquanto sujeito do inconsciente..."
Obra de Zhao Kailin





Deixo este vídeo para reflexão

Nenhum comentário:

Postar um comentário