terça-feira, 9 de dezembro de 2014

É preciso aprender a ficar com o "Nada"e enfrentar o Vazio

 Por Rosangela Brunet ღ
"Não existe coisa melhor do que pintar sobre o nada "Mark Rothko
É preciso aprender a ficar com o "Nada"e enfrentar o Vazio sem desmoronar,sem se viciar.É justamente o nada que nos captura e que nos atrai; que com seu mistério produz a beleza criativa desvinculada do vício da estética enquadrada pelas formas.Porque é em torno desse vazio que vamos construímos nossas vidas.Não há como duvidar disso. O que mais produziria essa infinita possibilidade de criação de tantos mundos ? Não há fonte tão inesgotável do que os nossos "nadas".Nada poderia gerar tantos universos desconhecido imersos a espera de Ser.
Como disse Marco Antonio C.Jorge " O artista parece com efeito ter um contato proximal com o inconsciente, ou pelo menos, parece deixar-se atravessar mais frequentemente por ele ..."Sou sensitiva, visual. Perfume e música me transportam para lugares inacessíveis a razão.Minha flor preferida é a murta Minha cor é rosa lilás ,minha pedra é ametista e a minha vida é uma história de amor.
assim a arte me atravessou em diversos níveis ,influenciou minha formação de várias formas. A arte se
Obra de Mark Rothko
tornou para mim um instrumento de compreensão do (meu) mundo. Minha paixão é enxergar o impossível e desvendar o impronunciável, é permear os afetos intocáveis. Sou obcecada pela captura do momento.Minha a arte é o mo(vi)mento.
Permeando meus afetos, ladeando minhas dores , varrendo minhas fugas ,assim vou trabalhando meu mudo e minhas paixões.Obcecada em capturar o momento, minha arte se transformou em mo(vi)mento. Nos meus "nadas" a palavra sempre se escondia em mistérios .Era o intraduzível me esperando .Mas quando vinha a poesia ,era o meu alívio me deixando tocar o (in)considerável, o (in) conduzível e o (in)pronunciável. A arte é a repressão civilizada, uma civil (ação) sublimada, o artista foi salvo do "mal estar " e escapa pela expressão do que ninguém ainda disse, porque não pôde, porque não soube, porque não coube nomear.
"A arte também foi feita pra unir. Pra protestar. Para seduzir. Por isso, passo a vida escrevendo. Lendo. Garimpando frases. Buscando o verso certo. A estrofe perfeita. Ou um conhecimento maior sobre mim mesma. Se estou conseguindo? Não sei. A arte nem sempre é bondosa. Um dia nos pega no colo e, no outro, nos faz enxergar o que ainda é difícil de ver. Mas tudo bem. Enquanto houver um poema pra nos consolar e uma boa canção pra nos comover, “a gente vai levando”.Fernanda Mello
Por isso, há muito o que se escrever.As palavras tem pressa.O silêncio quer atravessar nossa história .A memória quer nos lembrar seus segredos. O não-dito não cansa de esperar ser encontrado .A palavra grita a dedilhar nossa alma. A poesia me chegou de uma forma inesperada , de uma maneira doce acalmando meus ventos mais fortes. Ela veio com toda dor nas mãos se entregando, desejando o meu destino, e, eu , distraída que estava, me entreguei .Sou um "tambor da pulsão invocante" E nesse caminho uma música em mim ,ás vezes, sai do tom como uma sinfonia errada que acompanho sem entender. Como notas perdidas esqueço o compasso,troco meu passo e tento um outro "demi plié ".Sou ato inacabado e necessito de tempo, meu ritmo não se acompanha,minha partitura não tem cifra, não se decifra ,apenas toco no que alcanço, e isso pode estar além da imaginação. Não esta na mão de nenhum leitor "
✿¸.◦*´`✿ Rô Brunet .✿¸.◦*´`✿"

Nenhum comentário:

Postar um comentário