O Ato

No "Ato Psicanalítico" Lacan faz um trabalho que ele chamou de 'varredura'."É necessário fazer, no início do que introduzimos, uma operação, chamem-na como quiserem, de simples elucidação ou de varredura, mas ela é essencial."
Refere-se ele a todo o recorrido necessário à elaboração de um conceito.


Ao corte, que é 'ato em ato', daquilo que é excesso, para a depuração final do objeto.
E o objeto não é dado a priori, mas refere-se àquilo a que, a posteriori, se tenha chegado, esvaziado todo o caminho significante.
Vazio.

Daí, quem sabe, 
o saber viver, 
o saber fazer 
pode nascer a um momento dado, de uma experiência, da qual, dos seus pressupostos, o sujeito nada sabe...
Tal não seria a 'varredura' necessária ao processo de análise, na sua direção, desde o ato inaugural, que a institui na sua articulação significante à transferência, até o seu final, quando, pela 'operância psicanalítica', de ato em ato, o psicanalista a comanda, até a sua queda, cambalhota, báscula final?
Angela Porto
                                       Möbius; for Madame Butterfly at La Fenice in Venice

Comentários