sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Fernando Pessoa



Não sei quantas almas tenho. Cada momento mudei. Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei...Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.
Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser....
  Fernando Pessoa

Nenhum comentário:

Postar um comentário